Foto: Paul Grainger/PA

Milhares de caranguejos e lagostas são encontrados mortos em praia

Investigação está em andamento para descobrir por que milhares de criaturas marinhas estão aparecendo mortas
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Uma investigação está em andamento para descobrir por que milhares de caranguejos e lagostas mortos estão aparecendo no estuário Tees e nas praias do noroeste nas últimas semanas.

Crustáceos incontáveis foram encontrados e os bairros Marske e Saltburn têm números particularmente altos. Os primeiros casos foram reportados no começo de outubro em Seaton Carew, Redcar e no norte de Seaham.

O Membro do Parlamento Conservador de Redcar, Jacob Young, levou o assunto aos ministros. É “extremamente preocupante que isso continua acontecendo em nossa costa”, ele disse ao Northern Echo.

Outro Membro do Parlamento de Redcar, Anna Turley, tuitou: “O que está acontecendo? Isso está ficando apocalíptico.”

Um residente, Carl Clyne, encontrou alguns caranguejos mortos na praia de Seaton Carew no começo de outubro e contou ao Hartlepool Mail: “Haviam caranguejos mortos por toda a praia e a maior parte deles estava na faixa d’água entre algas marinhas.”

Os residentes de Marske descreveram a praia essa semana como a pior que já viram, com pilhas de criaturas mortas e apodrecendo, além de algumas vivas, misturadas com algas marinhas, segundo ChronicleLive. Alguns residentes passaram horas tentando devolver as criaturas vivas para a água.

Enquanto ambientalistas demonstraram preocupação sobre o ecossistema, a indústria pesqueira local reportou uma queda de 95% de caça de lagostas e caranguejos, de acordo com o ITV News Tyne Tees.

Em um pronunciamento, a Agência Ambiental (EA) afirmou que estava trabalhando com o Centro de Meio Ambiente, Pesca e Aquicultura (CEFAS) e a Autoridade de Conservação e Pesca Costeira no Nordeste para tentar entender a razão.

“Amostras de água, sedimento, mexilhões e caranguejos foram coletados e estão sendo levados aos nossos laboratórios para análise para decidir se a poluição pode ter contribuído com as mortes dos animais”, afirmou um porta-voz. “Nós também compartilhamos amostras com o CEFAS para análise de doenças.”

Uma causa que ainda não foi determinada. Eventos com muitas mortes podem ser causados por poluição e eventos climáticos incomuns como grandes tempestades ou o surgimento de uma doença.

A EA acredita que ainda não há nenhuma evidência que conecte a morte dos caranguejos com os encalhamentos de aves e mamíferos marinhos pelo Reino Unido e nos países vizinhos.

Um patologista de vida marinha na Universidade de Teesside, Dr Jamie Bojko, disse à ITV News Tyne Tees nesse mês que acredita que algum evento provavelmente é a causa. “Meu melhor palpite, no momento, é que a causa foi algum evento singular, já que vários animais apareceram de uma só vez”, ele afirmou.

CEFAS disse que as investigações estão acontecendo, mas que até agora não tem explicação para as mortes.

Pesquisas sugerem que fios elétricos submarinos podem interferir no comportamento dos caranguejos. Respondendo à sugestões que uma interconexão de cabos de Nortúmbria a Noruega possa ser a responsável, o National Grid se pronunciou dizendo não estar ciente dos maus que esses cabos podem causar aos caranguejos, já que eles estavam enterrados no fundo do mar, feitos de aço e improváveis de serem danificados por animais.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.