A Rua Atílio Moretti continua parcialmente interditada para veículos pesados, impactando moradores da região que se utilizam do transporte público. Por causa da interdição, realizada pela Defesa Civil no dia 23 de março, foram disponibilizados micro-ônibus em substituição aos dois carros grandes que faziam ponto final na rua.

Moradores do local reclamam dos ônibus superlotados e veículos quebrados. Eles dizem que a substituição dos veículos deveriam ser proporcionais a quantidade de assentos. O que houve foi a diminuição da frota e consequentemente a redução na capacidade de passageiros, pois a empresa substituiu três ônibus grandes por dois pequenos. Relatam ainda que caminhões pesados estão passando com frequência polo local.

A empresa Viação Cascatinha informa que a Defesa Civil interditou a Rua Atílio Marotti depois que uma parte da rua cedeu. Desde o dia 24 de março, a via foi liberada apenas para a circulação de carros pequenos e micro-ônibus. Sendo assim, a empresa não pode operar com os ônibus convencionais na localidade porque isso colocaria em risco a vida de passageiros e rodoviários.

A Viação Cascatinha aguarda a liberação da via para normalizar a operação que conta com três ônibus convencionais na linha.

Segundo um levantamento feito pelo Sistema de Monitoramento via GPS da empresa, desde que os micro-ônibus começaram a operar na linha, não foi registrada nenhuma quebra.

De acordo com a Viação Cascatinha, a frequência de saída dos ônibus da linha 518 é a cada 30 minutos. Os coletivos fazem 71 partidas por dia, considerando as saídas do bairro e do Centro.

A Prefeitura de Petrópolis informa que “o local continua interditado para veículos pesados. A prefeitura realizou reparos emergenciais que possibilitou, desde o dia 24 de março que a via fosse liberada apenas para a circulação de carros pequenos e micro-ônibus. A frequência de saída dos ônibus da linha 518 é a cada 30 minutos. Os coletivos fazem 71 partidas por dia, considerando as saídas do bairro e do Centro. Dados dos GPS dos veículos apontam que desde que os micro-ônibus começaram a operar na linha, não foi registrada nenhuma quebra. A CPTrans irá determinar que a empresa restabeleça a operação com os ônibus grandes tão logo a Defesa Civil considere a via segura para a passagem dos veículos pesados”.