A história da morte de uma menina de 11 anos por desnutrição em Ubatuba, litoral norte de São Paulo, tem chamado atenção da Polícia Civil. O caso que aconteceu na última quinta-feira (24) começa a ser esclarecido após as autoridades encontrarem o diário da garota no apartamento da família.

Segundo a Polícia Militar, a menina era mantida em cárcere privado e obrigada a fazer jejum, oração e exercícios físicos como punição por maus modos. A imposição vinha do padrasto, que tinha a mesma conduta com o irmão da vítima, de 08 anos.

O delegado do caso, Ricardo Mamede, informou que a menina pediu para comer e a mãe negou. O castigo durou três dias e a criança faleceu por desnutrição proteica calórica.

“Com as buscas, encontramos o diário relatando a rotina, que era jejuar, orar e fazer exercícios frequentes. Flexão, abdominal e mesmo sem alimento, ela era obrigada a fazer exercícios”, informou o delegado.

O delegado disse ainda que, em depoimento, o padastro teria afirmado que a menina faleceu em virtude de anemia. “O padrasto continuou afirmando que ela teria falecido em virtude de anemia e não se culpava por aquilo e afirma até hoje que faria de novo. Que ele acredita que a purificação só venha através de jejum. Mas a mãe, após ser confrontada com todas as provas, ela decidiu revelar a verdade e contou detalhadamente tudo”, explico Mamede.

Presos na última sexta-feira (25), a mãe e o padrasto passaram por uma audiência de custódia neste sábado. O irmão da vítima está em um abrigo de Ubatuba e o corpo da menina foi enterrado na manhã deste sábado no cemitério municipal de Pindamonhangaba.

Fonte: O Dia

Crédito da foto: Reprodução