A Polícia Civil constatou nesta quarta-feira (24), que o médico e o estudante de medicina realmente cometeram atos criminosas contra a jovem, em Petrópolis, na Região Serrana do Rio. Os dois já estavam presos desde o último dia 1º de outubro, mas só agora o inquérito feito pela 106ª Delegacia Policial de Itaipava, foi concluído.

O caso já foi encaminhado para o Ministério Público Federal com a solicitação de que as prisões temporárias sejam convertidas para preventivas. O médico residente vai responder por estupro e o universitário por ser cúmplice.

A investigação da Delegacia mostrou que há provas que evidenciam o crime, onde o estudante foi responsável por entregar o comprimido de ecstasy para o médico, que foi entregue para a vítima sem ela saber e após isso, praticou relações sexuais com a menina sem o seu consentimento, segundo a Polícia.

Por: Gabriel Malheiros