Malta é 1º país da União Europeia a alcançar imunidade de grupo, anuncia governo

País já aplicou 1ª dose da vacina contra a Covid-19 em 70% dos adultos.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

O ministro da Saúde de Malta, Chris Fearne, anunciou que o país alcançou a chamada imunidade de grupo contra a Covid-19, por já ter vacinado 70% da população adulta com pelo menos uma dose. A partir de julho, o uso da máscara poderá deixar de ser obrigatório, se o número de contágios permanecer baixo.

O governo maltês ampliou a vacinação a grupos etários mais jovens. Quem tiver mais de 16 anos já pode avançar para a primeira dose. O próximo passo visa aos menores a partir dos 12 anos, mas o Executivo ainda aguarda luz verde das autoridades médicas europeias.

“As vacinas estão sendo administradas à taxa de uma a cada cinco segundos”, disse Chris Fearne, acrescentando que “42% da população adulta receberam duas doses”.

Na última semana, Malta registou uma média de três novos casos de covid-19 por dia, correspondendo a uma taxa de 0,2% de resultados positivos.

O pico da pandemia foi atingido em meados de março, com mais de 300 casos diários.

O ministro anunciou a possibilidade de suspender a obrigatoriedade do uso de máscara ao ar livre para as pessoas vacinadas, a partir do início de julho, se o número de novos casos permanecer baixo.

Nas praias da ilha do Mediterrâneo, será suspensa a ordem do uso de máscara para todos os banhistas.

As restrições a ginásios e piscinas também foram suspensas e o horário de fechamento de restaurantes, cafés e bares deixou de ser as 17h, ficando estendido até a meia-noite.

Fonte: Agência Brasil

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Trabalho infantil no Mundo aumenta pela primeira vez em 20 anos

No relatório Trabalho Infantil: estimativas globais de 2020, tendências e o caminho a seguir, divulgado pelas duas instituições por ocasião do Dia Mundial contra o Trabalho Infantil, celebrado em 12 de junho, destaca-se a necessidade de medidas para combater a prática, que poderá ser agravada pela pandemia.

Comentários estão fechados.