Moradores do Catrambi, no Alto da Boa Vista, Zona Norte do Rio, encontraram os corpos de quatro macacos prego em um dos acessos à Floresta da Tijuca. O Laboratório de Saúde Pública do Instituto de Medicina Veterinária Jorge Vaitsman vai necropsiar os corpos. Alguns materiais deverão ser colhidos e encaminhados para a Fiocruz que vai determinar a causa das mortes.

Três dos animais foram recolhidos nesta manhã pelo Instituto Chico Mendes de Conservação e Biodiversidade, e um quarto encontrado horas depois na mata, pelo Centro de Controle de Zoonoses.

A vigilância sanitária recolheu 179 primatas em 2017, sem registros de contaminação pelo vírus da febre amarela no município.

A prefeitura alerta que o macaco não transmite a doença, mas sim os mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes. Ao encontrar um primata morto não se deve tocar no animal e é necessário ligar imediatamente para a Central de atendimento 1746.

SOBRE A FEBRE AMARELA
Nos próximos dias deve ficar pronto o resultado de exames que podem comprovar novos casos envolvendo morte por Febre Amarela no Estado. Atualmente a secretaria de saúde registrou dois casos, sendo um morto na cidade de Teresópolis, na Região Serrana. O outro caso foi em Valença, no sul Fluminense, onde três pessoas morreram com suspeita da doença e outras duas seguem internadas. Em Miguel Pereira, na mesma região, um paciente que tem suspeita de Febre Amarela e desenvolveu um quadro de hepatite fulminante, não conseguiu realizar um transplante de fígado já que teve sangramento cerebral e veio a falecer na madrugada desta segunda-feira (15). A secretaria de saúde investiga o caso.

Este ano ainda não há registros de primatas infectados. Recentemente o resultado de exames teve resposta positiva para Febre Amarela em macacos encontrados mortos em 2017 na Reserva de Tinguá, em Nova Iguaçu, Baixada Fluminense; Tanguá, na Região Metropolitana, e Miguel Pereira, no Sul Fluminense.

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde foram disponibilizados, aos 92 municípios do RIo cerca de 6,7 milhões de doses de vacinas contra a Febre Amarela.