Luxemburgo se torna o 1° país do mundo a oferecer transporte público gratuito Antes da iniciativa luxemburguesa, apenas algumas cidades da Europa tinham executado um plano semelhante.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

O ministro dos Transportes de Luxemburgo, François Bausch, celebrou neste sábado (29) o que classificou como 1 “grande dia” para o Grão-Ducado, que se tornou oficialmente o 1º país do mundo a implementar a gratuidade do transporte público em todo o seu território nacional.

Antes da iniciativa luxemburguesa, apenas algumas cidades da Europa tinham executado um plano semelhante.

O país pequeno, porém rico, introduziu a medida como parte de um esforço para “motivar” seus pouco mais de 600 mil habitantes – e os 214.000 passageiros estrangeiros que usam a rede diariamente – a mudar seu comportamento na região montanhosa entre Alemanha, Bélgica e França. As viagens de ônibus, trens e bondes já eram gratuitas aos sábados, mas todas as tarifas foram abolidas ao final desta semana.

Antes da abolição, as vendas preexistentes de bilhetes de 2 euros somavam 41 milhões de euros (cerca de 200 milhões de reais) – ou apenas 8% do orçamento anual de transportes de Luxemburgo, que supera 500 milhões de euros.

O transporte público agora será financiado em grande parte por meio de impostos que compõem o orçamento nacional. Isso deve significar uma economia de viagens para famílias “de baixa renda”, disse o ministério de Bausch. “O esquema se aplica a residentes, viajantes internacionais e turistas”.  A decisão deve representar cerca de 100 euros de economia anual por lar.

“Você não precisará mais de uma passagem para embarcar em nenhum ônibus, trem ou bonde nacional”, proclamou o consórcio de transporte público de Luxemburgo neste sábado.

No entanto, a empresa alertou os luxemburgueses: “O transporte público gratuito termina na fronteira; portanto, você deve obter um bilhete ou passagem além das fronteiras se planeja viajar para fora do território do Grão-Ducado”. Também será necessário comprar bilhetes para viagens de primeira classe em trens.

As máquinas de bilhetes serão retiradas gradualmente. Contudo, os pontos de venda de bilhetes internacionais – que levarão em conta a gratuidade no Grão-Ducado – e de primeira classe vão permanecer nas estações.

Para combater os congestionamentos, Luxemburgo abriu em 2017 a primeira seção do serviço planejado de bonde, desde a periferia sul da capital até o aeroporto ao norte.

Agora, o país está focado em antecipar a demanda de viagens, dobrar as vagas de estacionamento “Park + Ride”, especialmente nas fronteiras, e estabelecer ciclovias “coesas” em sua paisagem de 2.586 quilômetros quadrados.

Uma pesquisa realizada em 2018 pela TNS Ilres constatou que os carros em Luxemburgo representavam 47% das viagens de negócios e 71% do transporte de lazer. De acordo com o Índice de Tráfego Global da empresa de análise de dados INRIX, os motoristas da capital luxemburguesa passaram em média 28 horas presos no trânsito em 2017.

Fonte: Poder 360

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.