Cariocas e principalmente turistas não se intimidaram com a chuva e o tempo encoberto e saíram às ruas e praias da cidade aproveitar o último sábado do ano. Em Copacabana, o calçadão ficou lotado e mesmo assim muitos banhistas também não dispensaram a praia a despeito do sol que não apareceu.

Foi o caso da agente de turismo Juliana de Lima, de Osasco-SP, que chegou ao Rio com a família no dia 27. “O sol não veio, mas queremos aproveitar o máximo possível”, justificou. Uma outra família, de Ribeirão Preto, limitou-se a caminhar no calçadão. “Se não estivesse chovendo, estaríamos na areia”, lamentou o administrador Humberto Júnior.

Turistas lotam a orla de CopacabanaSeverino Silva / Agência O Dia

No mar, além dos banhistas, muitos devotos de Iemanjá aproveitaram a calmaria da véspera da festa de Réveillon para lançar flores e oferendas. No Leme, a pedagoga Tereza Cristina, de 55 anos, jogou flores pedindo um ano melhor em 2018. “Saúde, prosperidade e, principalmente, paz. É o que estamos precisando no Rio”, afirmou.

A previsão do tempo para a virada é de chuva. Neste domingo devem ocorrer pancadas de chuva isoladas, principalmente à tarde e à noite, segundo o Alerta Rio. O órgão da Prefeitura do Rio prevê chuva também para a madrugada do primeiro dia do ano, que deve ter tempo abafado e também pancadas de chuva isoladas a partir da tarde.

A programação do Réveillon do município do Rio prevê eventos públicos em nove bairros, incluindo Copacabana, onde a prefeitura disse esperar recorde de público com 3 milhões de pessoas. As atrações no principal palco da cidade começam às 17h30 com o DJ Tucho, seguido por Alex Cohen, Ana Petkovic, Belo, Cidade Negra e Frejat.

O primeiro show após os fogos será da cantora Anitta. Depois dela estão programadas apresentações das escolas de samba Portela e Mocidade de Padre Miguel. O palco montado em Copacabana receberá ainda um encontro das baterias de escolas de samba com a Orquestra Petrobras Sinfônica no dia 6 de janeiro.

Réveillon em CopacabanaArte O Dia

Ônibus sem greve no Réveillon

Toda a arrecadação proveniente da tarifa paga nos ônibus municipais do Rio no último dia de 2017 será arrestada para garantir pagamentos de salários e benefícios atrasados de rodoviários. A informação foi divulgada pelo Sindicato dos Motoristas e Cobradores (Sintraturb-Rio), que solicitou a penhora ao Tribunal Regional do Trabalho (TRT) e obteve liminar favorável no dia 30 de dezembro.

O presidente do sindicato, Sebastião José, informou que a decisão, do desembargador Gustavo Alkmin, atinge todos os consórcios e será uma saída para a regularização de salários e férias atrasados, 13º, INSS, recolhimento de FGTS e outros compromissos trabalhistas.

O Sintraturb anunciou que transferiu a greve, inicialmente prevista para a véspera do Réveillon, para o dia 1º de janeiro, a partir das 10h. O TRT da 1ª Região havia proibido a paralisação até as 10h do dia 1º. O Rio Ônibus não se pronunciou.

ODIA