O Linha Verde, programa do Disque Denúncia do RJ específico para recebimento de denúncias sobre crimes ambientais, lança nesta segunda-feira (15) a 21ª edição da campanha de combate e prevenção a prática de confecção, comercialização, soltura e realização de festivais de balões. Essa campanha é sazonal e se estende até o dia 15 de Setembro.

Na campanha realizada no ano passado, o Linha Verde cadastrou 193 denúncias envolvendo grupos de baloeiros, locais de comercialização, fabricação ou soltura de balões. Com o auxílio dessas informações, o Linha Verde ajudou a Polícia Ambiental na apreensão de mais de 220 balões, além de 2.160 materiais utilizados na fabricação desses balões. Por isso, é cada vez mais importante a ajuda irrestrita da população, pois através das denúncias ao Linha Verde, as forças policiais tendem a obter mais sucesso em suas operações já que as informações indicam locais exatos de onde as ações ocorrem.

Importante ressaltar que a polícia não pode estar em todos os lugares ao mesmo tempo, por isso a denúncia é valiosa, permite a própria polícia identificar com maior brevidade esses locais. Para que haja um maior sucesso nessas apreensões, o ideal é se denunciar a ação que precede a soltura do próprio balão, como locais de fabricação, locais de armazenamento, locais e horários de campeonatos, já que, depois que ele está nos céus, a polícia pouco pode fazer e a denúncia feita nesse momento ao Linha Verde poderá não ser aproveitada pelas forças policiais, além do próprio risco de o balão vir a cair aceso em florestas e residências, produzindo grandes prejuízos patrimoniais, ameaça ao nosso meio ambiente e até mesmo colocando a integridade física e a vida das pessoas em risco.

A campanha “Disque-Balão” foi criada no ano de 1999 pelo Disque Denúncia, com o objetivo de estimular a população a denunciar locais de comercialização de balões, prevenir e reprimir a ação de baloeiros e a realização de festivais e desde 2013 passou a integrar o bojo do programa Linha Verde. Ela serve principalmente para sensibilizar a população para os riscos que os balões geram para a conservação e preservação dos recursos ambientais e para a segurança humana.

Só para reforçar como a prática de soltar balões é perigosa, nos primeiros três meses deste ano, já foram registradas diversas ocorrências. Em uma delas, um balão caiu e ficou preso em cabos do Bondinho do Pão de Açúcar e em outro caso, por exemplo, outro balão caiu no interior de um condomínio em São Conrado,

Desde o lançamento da campanha, no ano de 1999, já foram cadastradas mais de 7.000 denúncias sobre essa atividade criminosa.

Todas as denúncias que chegam através do Linha Verde, pelos telefones 2253 1177 ou 0300 253 1177 (interior do Estado, custo de ligação local) são encaminhadas à polícia. Cabe ressaltar que a prática de soltar balões é crime (artigo 42 da Lei de Crimes Ambientais nº 9.605/98). A pena para quem for pego confeccionando, comercializando ou soltando balões que possam provocar incêndios é de 1 a 3 anos de detenção ou multa, ou ainda ambas as penas cumulativamente.

Ao longo dos anos foi possível identificar que algumas datas têm efeito e aumento sobre a prática de soltar balões. Geralmente entre os meses de abril e junho são contabilizados os maiores casos, período em que se iniciam os preparativos em homenagem a São Jorge, dia das mães e também das festas juninas. O problema é ainda agravado pela menor umidade do ar no outono.

Números da campanha em 2018

Em 2018 o Linha Verde registrou de 8.773 denúncias referente aos crimes ambientais. Dentre essas denúncias, 193 foram referentes a prática de comercialização, confecção, soltura de balões e grupos de baloeiros. Ao todo, 13 pessoas foram presas, 220 balões apreendidos e mais de 2.160 materiais para fabricação como bandeiras, buchas, lanternas, fogos de artifício foram apreendidos pelo Comando de Polícia Ambiental.

Os municípios que mais contribuíram com informações (denúncias) foram: Rio de Janeiro, São Gonçalo e Niterói e, levando em consideração somente a capital, os bairros onde houve mais denúncias sobre a incidência de balões, seja soltura, comercialização ou fabricação, foram: Todos os Santos, Méier e Campo Grande.

O Linha Verde reforça a solicitação para que a população continue denunciando crimes ambientais em todo o Estado do Rio através dos telefones  0300 253 1177 (interior, custo de ligação local) ou 2253 1177 (capital), além do APP “Disque Denúncia RJ” disponível para celulares. Por essa modalidade, o denunciante pode enviar fotos e vídeos, com a garantia do anonimato. É possível denunciar também através da página do Linha Verde no facebook, www.facebook.com/linhaverdedd

LINHA VERDE, o Disque Denúncia do Meio Ambiente.

Fonte: Disque Denúncia RJ - DDRio