Linha 3 do Veículo Leve sobre Trilhos começa a operar dia 26 de outubro Crivella assina decreto que cria grupo de trabalho entre técnicos da Prefeitura do Rio e da Concessionária do VLT Carioca

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter
O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, assinou na terça-feira, 15 de outubro, decreto que cria grupo de trabalho composto por técnicos da prefeitura e da concessionária que opera o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). A formação desta equipe, que irá ajustar questões contratuais, possibilita o início da operação da Linha 3 do VLT (Central do Brasil – Santos Dumont) no dia 26 de outubro.
“Estamos fazendo um acordo que a prefeitura tem possibilidade de cumprir. Um acordo em que esperamos encontrar uma equação de equilíbrio econômico-financeiro nesse contrato que seja benéfica para o usuário, que seja lucrativa, que dê o retorno esperado pelos concessionários, não haja agravo ao Erário neste momento de crise intensa. No dia 26, a Linha 3 começa a funcionar. Tenho certeza que o VLT é um ótimo meio de transporte, que só tem a engrandecer a nossa cidade. É um benefício para o cidadão”, afirmou o prefeito Marcelo Crivella.
Com a assinatura do decreto, cláusulas do contrato original que estavam sendo discutidas entre a prefeitura e a concessionária VLT Carioca serão debatidas ao longo dos próximos dez meses. Um dos pontos principais analisados pelo grupo de trabalho será o ajuste entre o movimento diário de passageiros inicialmente esperado e a quantidade real registrada. O contrato original estabelecia que a prefeitura garantiria a demanda de 85% de 260 mil pessoas por dia. Um número que se mostrou irreal na prática e geraria prejuízo aos cofres públicos municipais.
“Quero ressaltar que a Prefeitura do Rio de Janeiro cumpre seus contratos, não queremos gerar prejuízo para nossos cofres nem para o consórcio. O legal é que seja vantajoso para as três partes, prefeitura, consórcio e, principalmente, para o cidadão”, defendeu Crivella.
O grupo de trabalho também vai discutir outros pontos, como a possibilidade de retirar de circulação algumas linhas de ônibus no Centro do Rio, além de um possível ajuste na tarifa do VLT e do seu funcionamento 24 horas por dia. A equipe, formada por oito representantes da prefeitura, sendo dois da Cdurp, e quatro da concessionária VLT Carioca, poderá contar ainda com integrantes de outras entidades. O relatório final está previsto para ser entregue até 31 de agosto de 2020.
Com a inauguração da Linha 3, a expectativa da concessionária VLT Carioca é que o número diário de usuários ultrapasse os 100 mil. A nova linha ligará a Central do Brasil ao Aeroporto Santos Dumont, passando pela Avenida Marechal Floriano. Ao todo serão dez paradas, três delas novas: Cristiano Ottoni-Pequena África (na região da Central do Brasil), Camerino-Rosas Negras (na Marechal Floriano) e Santa Rita-Pretos Novos (também na Marechal Floriano, próximo à Igreja de Santa Rita). Os nomes são homenagens a ícones da cultura africana, batizados em consenso com o Iphan e com entidades do movimento negro e sociedade civil. De julho de 2016 a 30 de setembro de 2019, o VLT já transportou 43.792.986 passageiros.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.