O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, assinou na terça-feira, 15 de outubro, decreto que cria grupo de trabalho composto por técnicos da prefeitura e da concessionária que opera o Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). A formação desta equipe, que irá ajustar questões contratuais, possibilita o início da operação da Linha 3 do VLT (Central do Brasil – Santos Dumont) no dia 26 de outubro.
“Estamos fazendo um acordo que a prefeitura tem possibilidade de cumprir. Um acordo em que esperamos encontrar uma equação de equilíbrio econômico-financeiro nesse contrato que seja benéfica para o usuário, que seja lucrativa, que dê o retorno esperado pelos concessionários, não haja agravo ao Erário neste momento de crise intensa. No dia 26, a Linha 3 começa a funcionar. Tenho certeza que o VLT é um ótimo meio de transporte, que só tem a engrandecer a nossa cidade. É um benefício para o cidadão”, afirmou o prefeito Marcelo Crivella.
Com a assinatura do decreto, cláusulas do contrato original que estavam sendo discutidas entre a prefeitura e a concessionária VLT Carioca serão debatidas ao longo dos próximos dez meses. Um dos pontos principais analisados pelo grupo de trabalho será o ajuste entre o movimento diário de passageiros inicialmente esperado e a quantidade real registrada. O contrato original estabelecia que a prefeitura garantiria a demanda de 85% de 260 mil pessoas por dia. Um número que se mostrou irreal na prática e geraria prejuízo aos cofres públicos municipais.
“Quero ressaltar que a Prefeitura do Rio de Janeiro cumpre seus contratos, não queremos gerar prejuízo para nossos cofres nem para o consórcio. O legal é que seja vantajoso para as três partes, prefeitura, consórcio e, principalmente, para o cidadão”, defendeu Crivella.
O grupo de trabalho também vai discutir outros pontos, como a possibilidade de retirar de circulação algumas linhas de ônibus no Centro do Rio, além de um possível ajuste na tarifa do VLT e do seu funcionamento 24 horas por dia. A equipe, formada por oito representantes da prefeitura, sendo dois da Cdurp, e quatro da concessionária VLT Carioca, poderá contar ainda com integrantes de outras entidades. O relatório final está previsto para ser entregue até 31 de agosto de 2020.
Com a inauguração da Linha 3, a expectativa da concessionária VLT Carioca é que o número diário de usuários ultrapasse os 100 mil. A nova linha ligará a Central do Brasil ao Aeroporto Santos Dumont, passando pela Avenida Marechal Floriano. Ao todo serão dez paradas, três delas novas: Cristiano Ottoni-Pequena África (na região da Central do Brasil), Camerino-Rosas Negras (na Marechal Floriano) e Santa Rita-Pretos Novos (também na Marechal Floriano, próximo à Igreja de Santa Rita). Os nomes são homenagens a ícones da cultura africana, batizados em consenso com o Iphan e com entidades do movimento negro e sociedade civil. De julho de 2016 a 30 de setembro de 2019, o VLT já transportou 43.792.986 passageiros.