Hospital de campanha do Maracanã - Estefan Radovicz

Justiça determina que hospital de campanha do Maracanã deve ficar aberto

Presidente do Tribunal de Justiça do Rio observou, na decisão, que não se pode alegar a imprevisibilidade das consequências da pandemia para respaldar eventual falta de compromisso dos gestores públicos com o número de leitos

O presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, desembargador Claudio de Mello Tavares, negou, nesta quinta-feira (20), pedido do governo do Estado para desativar a unidade hospitalar montada no Maracanã para atender pacientes com Covid-19.

Tavares observou, na decisão, que não se pode alegar a imprevisibilidade das consequências da pandemia para respaldar eventual falta de compromisso dos gestores públicos com o número de leitos. O desembardador ressalta que chegou a ser alcançado o número de mil mortes por dia em todo o país e destacou que há um constante acréscimo de número de infectados e óbitos, “o que revela uma triste realidade em face da qual devem ser empreendidos todos os esforços para amenizar ou controlar tal aceleração, sem olvidar da possibilidade de recrudescimento da pandemia”, anotou o magistrado.

O presidente do Tribunal de Justiça também pontuou que ainda não há no estado do Rio de Janeiro nenhuma região com risco muito baixo de transmissão (bandeira verde).O Estado do Rio pretendia ter desmobilizado todos os hospitais de campanha até o dia 12 de agosto.

Fonte: O Dia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

veja também