Iphan e Polícia Federal resgatam material arqueológico no Acre

Os objetos estavam sendo comercializados de maneira ilegal, em sites e aplicativos da internet.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Na manhã desta quinta-feira (5), uma ação conjunta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no Acre e da Polícia Federal resultou na recuperação de um vasto material arqueológico do século XIX e XX.  Os objetos estavam sendo comercializados de maneira ilegal, em sites e aplicativos da internet.

“Muitos objetos de antiguidade, artefatos, obras de arte, manuscritos e livros antigos ou raros possuem um valor histórico excepcional para a cultura brasileira. Com esta operação, estamos contribuindo com a missão do Iphan de promover e coordenar o processo de preservação do patrimônio cultural brasileiro e garantir o direito à memória”, explicou o superintendente do Iphan-AC, Jorge Mardini Sobrinho.

Além de fósseis, foram encontradas muitas peças de cerâmica, elementos do cotidiano das famílias que viviam na região e garrafas de vidro do século XIX, de diversos tipos e tamanhos, provenientes de países europeus. “A partir de agora, vamos fazer um estudo e catalogar todos os itens, mas são objetos que chegaram na época da Revolução Acreana, durante os Ciclos da Borracha, possuindo, portanto, mais de 100 anos”, completou o superintendente. 

A Polícia Federal entregou todo o material ao Iphan que vai elaborar um relatório técnico com o intuito de colaborar com as investigações. O Instituto realizará o procedimento adequado para a conservação das relíquias que passarão por uma vistoria, triagem e serão catalogadas, higienizadas e organizadas. Pelo volume de objetos recuperados, a previsão para conclusão deste tipo de trabalho é de quatro a seis meses.

É importante que colecionadores e compradores de objetos antigos, consultem regularmente o Banco de Dados de Bens Culturais Procurados, evitando assim envolver-se em crime de receptação do patrimônio cultural brasileiro, roubado, furtado ou obtido por tráfico internacional ilícito de obras de artes.

Operação Elona

A ação partiu de uma denúncia anônima e o homem que se autointitula “caçador de relíquias”, foi preso nesta terça (5), em Rio Branco (AC). De acordo com a PF, ele retirava os materiais do Rio Acre, mais precisamente na altura do estirão da Gameleira, e os vendia de maneira ilegal na web. O nome Operação Elona é uma referência a um mosteiro na Grécia, onde ladrões retiravam materiais arqueológicos e relíquias sagradas.

Foram cumpridos mandados de busca e apreensão na residência do investigado, onde foi encontrado grande parte do material arqueológico sob investigação. Desta forma, foi realizada a prisão em flagrante do indivíduo na posse do material. De acordo com a Polícia Federal, as investigações continuarão em andamento para identificar outros envolvidos no esquema de comercialização ilegal de relíquias arqueológicas.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.