O investimento para aumentar a capacidade de operação dos Terminais de Uso Privado, conhecidos como TUP, superou a marca de R$ 4 bilhões. O montante aplicado entre 2013 e 2017, foi exclusivo para obras de expansão de 11 terminais privados, localizados ao longo de toda costa brasileira. 

O levantamento da Associação de Terminais Portuários Privados (ATP) revela um aporte do setor privado cinco vezes maior que os investimentos do setor público para melhoria da capacidade portuária. Em 2017, foram investidos 2,7 bilhões no setor portuário, sendo o setor privado responsável por 87% do valor total aplicado. 

Para o presidente da entidade, Murillo Barbosa, a eficiência no escoamento da produção brasileira está diretamente relacionada à necessidade de investimentos robustos no setor. “A partir de obras estruturais, os projetos de expansão permitem otimizar as operações de carga e descarga, agilizando o fluxo e o aumento da capacidade transportada, além de ampliar a geração de emprego”, detalha. 

Entre os terminais privados que tiveram autorização para realizar obras de expansão nos últimos anos, seis são associados à ATP. “Os números mostram que, de fato, o setor portuário precisa ser reconhecido como estratégico para a recuperação da economia brasileira, com elevados índices de produtividade multimodal”, explica Barbosa.

TUPs em expansão – O Porto Itapoá, localizado no Norte de Santa Catarina, acaba de concluir a primeira fase das obras de expansão, que vai permitir ao TUP dobrar sua capacidade. A ampliação, iniciada em 2016, contempla 100 mil m² adicionais de pátio e mais 170 metros de píer e totalizam investimento de R$ 360 milhões.

Quinto terminal em movimentação de contêineres no Brasil, o Porto Itapoá atua com cargas que têm como origem ou destino todos os estados da região Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Paraguai.