FOTO DIVULGAÇÃO

Incêndios em florestas da Bolívia colocam iniciativas agrícolas de Evo Morales em questão

Os incêndios em território boliviano, que espelham aqueles que devastam grandes áreas da Amazônia brasileira, ameaçam a busca de Evo por um quarto mandato consecutivo e mais cinco anos de “Evonomics”, sua modalidade de capitalismo misturado com intervencionismo socialista.

Críticos ligam os incêndios a leis que Evo sancionou incentivando agricultores e fazendeiros a se estabelecerem em áreas florestais nos últimos anos. Elas incluem permissão neste ano para usar métodos de queimadas para acelerar a produção, apesar de uma grande seca.

A escala dos incêndios é imensa, ameaçando o que é visto como um escudo natural contra a mudança climática. Nas últimas semanas, eles arrasaram mais de 2,1 milhões de hectares no país sem saída para o mar, consumindo mais de 700 mil hectares de floresta em reservas protegidas, segundo um relatório do grupo conservacionista local FAN

E eles chamaram atenção para o apoio recém-descoberto de Evo a um setor antes em atrito com seu governo, colocando-o na defesa antes da eleição de 20 de outubro.

Mas ele também está determinado a fomentar o desenvolvimento e o crescimento econômico na Bolívia, hoje um dos países mais pobres da América do Sul.

O governo Morales se tornou mais conhecido como um tipo de promotor das matérias primas agrícolas, chamando-as de “novo ouro” que ajudará a diversificar a economia que depende da exportação de gás natural.

“O bomo é que o incêndio conseguiu reverter o curso da história”, disse o cientista político Franklin Pareja, radicado em La Paz. “É tão grande… que começou a expor outras coisas. Por exemplo, que não se trata só de utilizar as pessoas pobres, mas que há interesses corporativos agroindustriais que serão os mais favorecidos.”

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

veja também

Leave a Comment