Carioca – mas de coração petropolitano – a Princesa Isabel teve os seus 172 anos de nascimento comemorados com festa, neste domingo (29.07), no Cristo Redentor – monumento que a alteza chegou a idealizar na época do Império. Promovida pela prefeitura de Petrópolis e o Santuário Cristo Redentor, a homenagem contou com uma missa especial, com a participação do grupo performático Dó Ré Mi e do grupo vocal Theatro Gregoriano Estrada Real. Turistas e visitantes ainda caíram no samba com a apresentação da bateria da escola de samba Vila Isabel, aos pés do Cristo.

            No alto do morro do Corcovado, com um dia abençoado com céu azul e o principal ponto turístico do Rio lotado, os visitantes ainda encontravam atores do Sarau Imperial interpretando a própria Princesa Isabel e o seu pai, o imperador Pedro II, além de uma estátua de cera, que também a representava, vinda do Memorial de Devoção de Nossa Senhora Aparecida. O evento foi marcado não só pelas homenagens, como também por um dia de fé e esperança para os religiosos.

Segundo o prefeito Bernardo Rossi, misturar cultura com uma homenagem à mulher que tem presença marcante na história de Petrópolis foi a festa perfeita. “Como bom petropolitano, sei o quanto é importante, elogiarmos, enaltecermos Dom Pedro II, a Princesa Isabel e a família real. Porque eles estão enraizados na história de Petrópolis. Ela foi muito importante não só para a cidade, como também para todo o país. Estamos hoje, num símbolo do Rio, pensado pela princesa, fazendo essa festa linda para comemorar o aniversário dela”, destaca.

No monumento a Jesus Cristo, a missa chegou a emocionar os visitantes mais religiosos. Vindo de São Luiz, no Maranhão, o engenheiro Arlindo Carvalho estava a passeio no Rio quando foi pego de surpresa com o evento no Cristo. “Achei ótimo, sou católico e adorei participar de uma missa aos pés do Cristo. Foi uma surpresa maravilhosa”, disse. Até petropolitanos também estavam entre os visitantes. “Vim pela primeira vez no Cristo e estou adorando, com o evento é mais emocionante ainda”, destacou a vendedora Tatiane Beck.

A homenagem à princesa no Corcovado não foi por acaso, foi dela a ideia de construção de um monumento a Jesus Cristo. Na época do Império – quando assinou a Lei Áurea, a filha de Dom Pedro II rejeitou a possibilidade de uma homenagem que a representaria como “A redentora”, destacando que a homenagem deveria ser feita ao verdadeiro “Redentor dos homens”, com uma imagem ao Sagrado Coração de Jesus.

“É um momento de benção, um momento de evidenciar que a cultura sobrevive na medida em nós valorizamos a história, valorizamos os personagens históricos. A Princesa Isabel foi uma mulher que salvaguardou a fé, os valores, que foi importante no processo de mudança de paradigma em nosso país, e que deve mais do que nunca ser homenageada por todos nós. O que gente está fazendo hoje aqui, criando um movimento cultural, político social, artístico, isso vai fomentar mais e mais ideias, mais e mais coisas vão acontecer para a gente celebrar essa data”, disse o reitor do Santuário Cristo Redentor, Padre Omar.

“Com a nossa música, com a nossa cultura e com a nossa educação a gente está plantando uma semente e trazendo uma mensagem de esperança a cada um que passou pelo evento”, destacou o diretor-presidente do Instituto Municipal de Cultura e Esportes, Leonardo Randolfo.

Vila Isabel colocou visitantes para cair no samba

Outra surpresa para os visitantes foi a bateria da Vila Isabel, que colocou brasileiros e gringos para caírem no samba logo depois da missa. O presidente da agremiação, Fernando Fernandes aproveitou a oportunidade para pedir uma benção para o desfile de 2019 e ressaltou sobre a organização da escola, lembrando que não há qualquer investimento público da prefeitura de Petrópolis. Com o tema “Em nome do Pai, do Filho e dos Santos – a Vila canta a cidade de Pedro”, o enredo é uma homenagem à Petrópolis, idealizada pelo pai da Princesa Isabel, Pedro II.

“É uma felicidade muito grande receber Petrópolis como enredo, porque um enredo sobre Petrópolis é a cara da Vila Isabel. Então hoje eu quero pedir essa benção que é pra colocar a Vila Isabel no lugar onde ela nunca deveria ter saído, que é o Desfile das Campeãs. Hoje nós não dispomos de dinheiro nenhum público de Petrópolis, estamos buscando parcerias privadas. A Vila Isabel é a única escola hoje na cidade do samba funcionando a todo vapor. Acreditamos que em janeiro vamos estar fechando o barracão já com tudo pronto. A escola está muito adiantada”, frisa Fernandes.

Mesmo aqueles vindos de longe, foram contagiados pelo azul e branco da escola carioca. “Achei tudo lindo. Conheço um pouquinho da história da família real e achei muito legal. Um evento maravilhoso”, frisou a auxiliar de serviços gerais, Deusa Fonseca, que veio de Belém do Pará conhecer o Rio de Janeiro e aproveitou a missa e o samba da Vila Isabel para curtir um pouco mais o monumento.