Foto: Divulgação/Curta!

Helena Ignez conta sua própria história em filme inédito dirigido pela filha, Sinai Sganzerla

Do nascimento em Salvador à maturidade, ela fala sobre o que viveu enquanto ajudava a construir um cinema autenticamente brasileiro.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

A cineasta e atriz Helena Ignez mergulha em uma jornada através da própria história no documentário “A Mulher da Luz Própria”, que estreia no Curta! e no Curta!On, a plataforma de streaming do Curta!, no NOW da NET/Claro ou em curtaon.com.br. Do nascimento em Salvador à maturidade, ela fala sobre o que viveu enquanto ajudava a construir um cinema autenticamente brasileiro. Tudo isso diante do olhar de sua filha, Sinai Sganzerla, diretora do filme.

Narrado pela própria Helena, em primeira pessoa, o documentário intercala belíssimas imagens antigas — retiradas dos filmes de que participou e de registros de sua vida pessoal — com cenas feitas exclusivamente para “A Mulher da Luz Própria”. As imagens de várias épocas são entrelaçadas e ajudam a compor a mulher madura que vemos, com suas lembranças e aprendizados.  

O filme mostra seus primeiros papéis, os casamentos com Glauber Rocha e Rogério Sganzerla (em cujo clássico “O bandido da luz vermelha”, ela atuou), sua participação como atriz nos movimentos Cinema Novo e Cinema Marginal, a repressão da ditadura militar, o exílio, a volta ao Brasil, a maternidade, o tempo em que se afastou das telas para viver outras experiências, como o teatro, e sua passagem para trás das câmeras, como diretora de filmes. “Eu sou um desses personagens reais. E perguntam ‘quem sou eu?’. A resposta é mutante. Ela não é a mesma”, afirma Helena em uma das passagens do longa.

Nessa fase mais madura, quando inicia sua carreira como cineasta — seu primeiro filme “Reinvenção da Rua” é lançado em 2003 —, o olhar de Ignez por trás das câmeras se foca principalmente em causas como o feminismo, a visibilidade das pessoas indígenas, LGBTQIA+ e de outros grupos sociais que enfrentam preconceitos e violências. A estreia é na Quarta do Cinema, 14 de julho, às 22h30. A produção será disponibilizada na mesma data no Curta!On.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Documentário aborda a pandemia na perspectiva dos trabalhadores da saúde

O filme é fruto da pesquisa Monitoramento da saúde, acesso à EPIs de técnicos de enfermagem, agentes de combate às endemias, enfermeiros, médicos e psicólogos, no município do Rio de Janeiro em tempos de Covid-19, financiada pelo edital Inova Fiocruz, e coordenada por Mariana Nogueira, Leticia Batista e Regimarina Reis.

Comentários estão fechados.