Em reunião com aliados na cidade de São Paulo, Fernando Haddad (PT) defendeu que sua campanha e de seu rival Jair Bolsonaro (PSL) sejam contra veiculação de conteúdo falso nas mídias sociais. O candidato do PT a presidência defende que eleitores não sejam “covardemente assassinados” ao expressarem suas ideologias.

Ao falar com a imprensa, Haddad citou o caso de um mestre de capoeira que tinha 63 anos de idade e foi assassinado com 12 facadas por expressar seu voto após o término do 1º turno das eleições. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública da Bahia, o capoeirista foi morto porque disse ser contra as propostas de governo de Bolsonaro.

  • Não há problema uma pessoa pensar de um jeito e a outra de outro. O problema é em função da sua opinião, da sua liberdade de expressão, ser covardemente atacado. Nós, que estamos na vida pública, sentimos que a democracia esteja ameaçada com esse tipo de atitude covarde de determinados setores da sociedade. Ontem mesmo recebemos a informação de um mestre da Bahia que foi morto com 12 facadas em função da sua opinião sobre as eleições – comentou Fernando Haddad.

Ele também criticou a veiculação das chamadas fake news nas mídias sociais e disse que sua campanha poderia ser junto a de Bolsonaro com o intuito de bloquear a propagação de notícias falsas, assim o público só receberia fatos reais.

Por: Gabriel Malheiros