A Guarda Civil conduziu um homem de 42 anos à 105ª Delegacia de Polícia acusado de assédio sexual em um ônibus no fim da tarde de segunda-feira (29.10). A ação dos guardas aconteceu depois que três mulheres que estavam em um ônibus da linha 100 (Centro-Rodoviária) apontaram o homem como o responsável pelo crime. Diante dos relatos das passageiras de que o acusado havia “passado a mão” nelas, o motorista interrompeu a viagem na Av. Koeler, e solicitou apoio dos guardas, que levaram o acusado para a delegacia. O caso aconteceu por volta de 18h.

Desde o fim de setembro, atos de importunação sexual passaram a ter pena de prisão de um a cinco anos. A lei passou a considerar como crime qualquer ato sem consentimento “com o objetivo de satisfazer a própria lascívia ou a de terceiro”. Antes da mudança na legislação, este tipo de atitude era considerada “contravenção penal”, punida apenas com multa. O município mantém a campanha, “Meu Corpo Não é Público”, com cartazes nos ônibus incentivando que qualquer tipo de abuso seja denunciado. Em Petrópolis, depois que a nova legislação passou a vigorar, um homem já havia sido preso no Bingen acusado pelo crime.

Nos últimos dois dias, a Guarda Civil realizou três prisões de suspeitos de roubos ou furtos, a um estudante, a uma mercearia e a uma loja de doces, todos em ruas do Centro. Todas as ocorrências atendidas pela corporação são fruto da maior presença de agentes na rua. A Guarda em 210 homens e mantém um efetivo diário na rua de 30 homens em rondas de patrulhamento no Centro e arredores e mais 10 para atender a região dos distritos.