Guarda Civil vai ampliar a presença na rua a partir desta quarta-feira (21.02). Serão 40 homens durante todo dia, 10 a mais do que o habitual. A medida foi tomada para permitir que a Polícia Militar possa direcionar maior efetivo para os bairros durante o período da intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro. Esse aumento do número de guardas nas ruas também vai ser visto no período noturno, horário em que as rondas de patrulhamento preventivo também serão maiores. Uma terceira medida que será adotada será a maior frequência de uso de cães de detecção de drogas e armas em ações para dar mais segurança ao comércio, em áreas turísticas e locais de intensa movimentação de pessoas, como o Centro Histórico.

Essas medidas já vinham sendo planejadas pela Guarda Civil para terem início em março, mas após o decreto de intervenção, o prefeito Bernardo Rossi e o secretário de Serviços, Segurança e Ordem Pública, Djalma Januzzi, decidiram antecipar o trabalho.

“A meta é deixar a cidade protegida e blindada da ação de criminosos. A articulação vem sendo feita desde o início do governo entre Guarda, polícias militar e civil e todas as forças de segurança. Petrópolis é uma cidade segura e o trabalho será feito para manter esse patamar e deixar os moradores, turistas e todo comércio com tranquilidade”, afirma o prefeito Bernardo Rossi.

As rondas de patrulhamento preventivo no período da noite serão intensificadas, assim como o trabalho de detecção de drogas e armas pelos cães, que até então ocorria em um período ao longo do dia e agora também irão ocorrer à noite.

“Todo trabalho para reforço do patrulhamento já estava sendo preparado, mas diante da intervenção federal, esse planejamento foi antecipado para ser mais uma forma de garantir a segurança para a população”, frisa o comandante da GuardaCivil, Jeferson Calomeni.

Todas as forças de segurança já estão em contato para impedir a migração de criminosos para o município. Na segunda-feira (19.02), Guarda, PM e PRF participaram da reunião ordinária do Gabinete de Gestão Integrada Municipal (GGIM) para debater ações para serem tomadas de imediato, como reforço do policiamento ostensivo nas entradas da cidade.

Esse trabalho já começou a ser feito pela Polícia Militar e desde esta terça-feira também conta com a presença de militares na BR-040, a principal entrada da cidade. Cerca de 20 homens e cinco viaturas fizeram abordagem de motoristas que trafegavam na rodovia pela manhã. É o primeiro ato em Petrópolis após o decreto de intervenção do governo federal na segurança pública do Rio de Janeiro. A medida serve para coibir a entrada de criminosos e drogas vindas da capital. Logo pela manhã, carros foram abordados com os militares revistando malas em busca de entorpecentes.

“Petrópolis só tem a ganhar com a intervenção federal na segurança do Estado. Haverá trabalho intenso no combate ao tráfico de drogas e a todo tipo de criminalidade”, aponta o secretário de Serviços, Segurança e Ordem Pública, Djalma Januzzi.

Outra medida neste caminho será a instalação do Centro Integrado de Operações de Petrópolis (Ciop). Já a partir da próxima semana, após toda fase de levantamento de campo, a Emive, empresa responsável pela colocação das câmeras de monitoramento da cidade, começará a fazer a instalação da infraestrutura interna e externa, que é o momento de colocar poste de cinco metros de altura, nobreaks, computadores, monitores e televisores na sala de monitoramento, entre outros materiais. São 46 os primeiros pontos para instalação das câmeras e, em seguida, outros 40 serão efetivados. A central, que vai funcionar no Centro de Cultura, integrará Guarda Municipal, Defesa Civil, CPTrans, PM, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros.