Agência Brasil

Governo do Rio envia à Alerj projeto de lei para reestruturar a Previdência do Estado

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Objetivo é equilibrar o Rioprevidência sem mudanças nos direitos dos servidores e zerar o déficit atual

O Governo do Estado do Rio de Janeiro enviou, nesta quarta-feira (19/12), à Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), projeto de lei complementar  (PLC) para a reestruturação da Previdência estadual, sem mudanças nos direitos adquiridos dos servidores ativos, inativos e pensionistas. O objetivo é garantir, de forma permanente, os recursos financeiros necessários para que sejam cumpridos os compromissos com os beneficiários do Rioprevidência nas próximas décadas, sem impacto sobre o Tesouro estadual.

Com o envio do PLC, o governo estadual contribui para o debate sobre a reforma da Previdência Pública, com a apresentação de uma proposta que não afeta os direitos dos servidores, já que estabelece formas de financiamento do regime previdenciário que assegurem a sustentabilidade do pagamento das aposentadorias ao longo das próximas décadas. A gestão dos recursos ocorrerá sem a ingerência do Executivo e garante que o Tesouro estadual possa utilizar os recursos ordinariamente arrecadados para investimentos e demais obrigações impostas ao governo estadual, sem despesas com o Rioprevidência.

Os recursos serão viabilizados pelo Fundo Previdenciário do Regime Próprio de Previdência Social do Estado do Rio de Janeiro( RPPS/RJ ), o Funprev, que passará a contar com aportes mensais do Imposto de Renda retido na fonte dos servidores, securitização de recebíveis e da dívida ativa do Estado, 7,5% do Duda, imóveis já aportados ao Rioprevidência e compensações da Lei Kandir, via repasses da União à administração estadual.

Além do Funprev, a Previdência estadual também será custeada pelo Fundo Financeiro (Funfin), que vai receber os recursos das contribuições a serem pagas pelos servidores ativos, inativos e pensionistas e pelo Governo do Estado.

De imediato, o PLC prevê a transferência dos segurados com mais de 54 anos de idade do Funfin para o Funprev, que também será responsável pelos novos ingressantes no sistema. Com a transferência dos contribuintes até este limite de idade para o Fundo Previdenciário e a gradual migração de todos os segurados para esse Fundo, haverá, em um futuro próximo, equilíbrio da Previdência estadual, hoje a principal responsável pelo déficit das finanças fluminenses.

A nova legislação também determina mudanças na estrutura do Rioprevidência. Haverá ampliação do conselho de administração, que continuará sendo presidido pelo secretário de Estado de Fazenda e terá aumento no número total de membros dos atuais 14 para 20, inclusive com mais representantes dos servidores ativos do Executivo e dos ativos, inativos e pensionistas do Executivo e todos os Poderes, a serem escolhidos em eleição direta. Será criada, ainda, uma diretoria executiva e um comitê de investimento.

Não haverá alteração na alíquota de contribuição previdenciária patronal do Executivo e demais Poderes dos servidores (28%) e a alíquota dos servidores prossegue inalterada em 14%.

Fonte: GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.