Fotógrafo Máximo Jr morre, aos 58 anos

Ele é mais uma vítima da covid-19
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Morreu no sábado (3), aos 58 anos, o fotógrafo José Carlos Máximo Júnior, conhecido como Máximo Jr. Ele é mais uma vítima da covid-19 em São Paulo. Deixa a mulher, Aline, e a filha, Audrey, além de muitos amigos e admiradores de seu trabalho.

Ao longo da bem-sucedida carreira, Máximo se especializou em moda, beleza e retratos de anônimos e celebridades. Fez campanhas para várias grifes, capas de revistas, editoriais publicados na imprensa e ensaios artísticos.

Máximo publicou três livros — um deles, ‘Cidades’, com fotos de 52 lugares em 15 países. Foi professor de fotografia na renomada Panamericana Escola de Arte e Design. Teve o talento reconhecido com prêmios e homenagens.

Entre os famosos que ficaram diante de sua câmera, muitas personalidades de TV: Maju Coutinho, Roberto Justus, Suzy Rêgo, Erika Januza, Gianne Albertoni, Adriana Birolli, Olga Bongiovanni, Claudete Troiano, Oscar Magrini, Juju Salimeni, Lívia Andrade, Daniela Albuquerque, Nicole Bahls, Fernanda Souza, Felipe Titto, Ellen Rocche, Ronnie Von, Ticiane Pinheiro, Renata Alves, Bruno Gagliasso, entre tantos outros.

Com 34 anos de carreira e passagem pelo lendário Estúdio Abril, o fotógrafo tinha como marca registrada o alto-astral. Exalava boa energia ao interagir com os fotografados. Assim, minimizava o nervosismo e a timidez. Tratava a equipe — assistentes, figurinistas, maquiadores, cabeleireiros — com o mesmo respeito dedicado aos clientes.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.