Força feminina do Inea trabalha para combater crimes contra meio ambiente

As mulheres também estão presentes em outra atividade estratégica do Inea.

Elas estão sempre de prontidão e em campo para atuar em defesa do meio ambiente: é a força feminina do Instituto Estadual do Ambiente (Inea), órgão ambiental do Estado do Rio de Janeiro, que trabalha para conservar a natureza e combater irregularidades ambientais.

Uma dessas mulheres guerreiras é a professora e jornalista Vania Maria Coelho da Silva Gomes, gestora da Estação Ecológica Estadual de Guaxindiba, localizada no município de São Francisco de Itabapoana, no Norte Fluminense. Ela entrou para o Instituto Estadual de Florestas (IEF), hoje Inea, em 1997. À época, começou trabalhando em setores de fiscalização do órgão ambiental estadual.

As mulheres também estão presentes em outra atividade estratégica do Inea: as guada-parques. Atuam no atendimento ao público que visita as unidades de conservação, na prevenção e no combate a incêndios florestais, no resgate e manejo de fauna, em atividades de educação ambiental, dentre outras atribuições.

A guarda-parque Thais Schumacker trabalha na Área de Proteção Ambiental (APA) Estadual de Macaé de Cima, na Região Serrana.

É só o telefone tocar na Gerência de Operações em Emergências Ambientais (Geopem) do Inea que a equipe (a maioria dos integrantes é mulher) entra em ação. Imediatamente, elas se deslocam para algum ponto do Estado do Rio, a fim de avaliar se aquele acidente, muitas vezes envolvendo produtos perigosos, pode impactar na natureza. A partir dessa checagem, elas definem as medidas a serem adotadas.

Elas também marcam presença no setor de fiscalização da Diretoria de Pós Licença (Dipos) do Inea: estão sempre em campo para fiscalizar se as empresas estão, de fato, cumprindo as condicionantes impostas pelas licenças ambientais emitidas pelo Inea; além de atuarem para checar denúncia de crimes ambientais.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

veja também