Divulgação | A diretora do filme e professora da Estácio, Beatriz Galvão com a equipe de produção (cinegrafistas Caio Garin e Rogério Henriques O. Júnior), as alunas colaboradoras Nicole Barbosa Vieira (Jornalismo) e Thalita Rangel (Publicidade e Propaganda) e a entrevistada Regina H. de Castro Resende Pedagoga do Setor de Educação do Museu Imperial nos bastidores das gravações.

Filme “Nos Jardins do Museu Imperial” abre o Festival de Cinema de Petrópolis Documentário tem direção de Beatriz Galvão e contou com o apoio da Estácio Petrópolis em seu processo de produção

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Para quem ainda não viu, eis que surge mais uma oportunidade para assistir ao filme “Nos Jardins do Museu Imperial” e se emocionar com as histórias vividas nos jardins do imperador. A obra, que contou com o apoio da Estácio Petrópolis, irá abrir o IV Festival de Cinema de Petrópolis, nesta quinta-feira, às 14h, no Palácio Quitandinha, com sessão gratuita.

O filme, com concepção, roteiro e direção de Beatriz Galvão investiga e narra a história do jardim do Museu Imperial através das memórias de seus frequentadores, desde os ilustres moradores do Palácio Imperial do século XIX, às pessoas comuns, que desde 1940, quando o Museu foi criado, lá passeiam, namoram, trabalham, estudam, ou seja, vivem momentos de suas próprias histórias.

“É o resultado do meu projeto de mestrado profissional em que, além da dissertação, temos que desenvolver um produto, então eu fiz este filme, que é expandido em uma web série, com episódios temáticos, com narrativas individuais”, revela Beatriz Galvão, publicitária e professora da graduação e MBA na Estácio.

Na equipe estão os cinegrafistas Caio Garin, Bruna da Ponte Ribeiro e Rogério Henriques Júnior. Os dois últimos também assinam a edição do filme, com trilha sonora original de Marco Aurêh.

“O documentário contou com o apoio da Estácio, com recursos humanos e técnicos, ou seja, cedendo equipamentos, profissionais da área, e estúdios, além da colaboração de alunos dos cursos de jornalismo e publicidade, que atuaram na produção do projeto, como Atividade Acadêmica Complementar”, acrescenta Beatriz, informando que o longa de 70 minutos de duração será doado para o acervo do Museu Imperial.

“O que significa que ele vai será preservado para a posteridade”, comemora.

Mais informações sobre o Festival de Cinema de Petrópolis podem ser consultadas no endereço eletrônico https://festivaldepetropolis.com.

Fonte: Universidade Estácio de Sá

Crédito da foto: Divulgação | A diretora do filme e professora da Estácio, Beatriz Galvão com a equipe de produção (cinegrafistas Caio Garin e Rogério Henriques O. Júnior), as alunas colaboradoras Nicole Barbosa Vieira (Jornalismo) e Thalita Rangel (Publicidade e Propaganda) e a entrevistada Regina H. de Castro Resende Pedagoga do Setor de Educação do Museu Imperial nos bastidores das gravações.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.