Os mais de 1.600 coralistas e músicos que participam do Festival Internacional de Corais, o primeiro FIC Petrópolis, trouxeram com eles muito mais do que a voz e os instrumentos. Além de fomentar a cultura e firmar a cidade como capital nacional dos corais durante 10 dias de evento, a movimentação de R$ 2 milhões na economia graças ao festival também é música para os ouvidos do desenvolvimento do município. Famílias, amigos dos músicos, além de apaixonados por corais que vieram à cidade especialmente para o encontro, ajudaram a aquecer a economia, encher hotéis e restaurantes e movimentar os atrativos turísticos.

Neste domingo, o FIC – que começou no dia 17 de agosto – encerra sua programação, com um concerto de gala no Palácio Quitandinha, às 18h, com a expectativa de lotar o espaço.

Ao todo, o festival conta com 43 concertos, 31 coros, 5 orquestras. A maioria das apresentações foi acompanhada por platéias lotadas. Grupos musicais de formações e características diferentes fizeram vibrar a Cidade Imperial, em espaços como o Theatro Dom Pedro, Palácio de Cristal, Catedral São Pedro de Alcântara e Praça Dom Pedro. Petrópolis está recebendo não só cantores de outras cidades e estados brasileiros, como corais da Argentina e do Chile.

“O nosso primeiro festival já começou como um sucesso, por isso temos certeza de que ele vai virar um evento fixo no nosso calendário, valorizando o segmento de canto coral e ainda movimentando a economia do município”, destaca o prefeito Bernardo Rossi. “Programamos um grande encerramento para fechar o FIC, com a integração de corais e orquestras, para fechar com chave de ouro a programação. Todo o festival superou nossas expectativas, em todos os sentidos”, completa o diretor-presidente do Instituto Municipal de Cultura e Esportes (IMCE), Leonardo Randolfo.

O FIC também contou com Master Class de Regência Coral e Workshop de Técnica Vocal, com o objetivo de promover intercâmbio e aperfeiçoamento profissional para os participantes. Além disso, entre os sucessos desta primeira edição estão os concertos ao ar livre, gratuitos, que foram realizados na Praça Dom Pedro, que chamaram a atenção de petropolitanos e turistas que passavam pelo local. “Achei maravilhoso, a gente viaja com a música dos corais. Acho que esse tipo de evento, na praça, deveria ter sempre. É muito bom”, frisou a professora aposentada Diná Portugal.

 

Mais de 500 leitos ocupados durante o festival

            Com o festival, só com os músicos e integrantes dos corais, mais de 500 leitos ficaram ocupados em diversos hotéis pela cidade. No primeiro fim de semana do evento, a taxa média de ocupação no primeiro distrito ficou em 76,8%, de acordo com o Disque Turismo. Durante a programação, tanto os coralistas quanto o público que veio à cidade acompanhar a programação também aproveitaram para visitar os principais pontos turísticos.

“Faço parte de um coral na minha cidade, mas vim para Petrópolis para assistir os concertos do festival e passear pela cidade. O concerto de abertura foi maravilhoso”, disse o advogado aposentado Laércio Álvares, morador de São Domingos do Prata, em Minas Gerais, que visitou atrativos como o Museu Casa de Santos Dumont, o Palácio Quitandinha, entre outros.

“O aumento no número de visitantes na cidade que vieram prestigiar o Festival de Corais mostra o quanto os setores hoteleiro, gastronômico e o próprio comercio da cidade estão sendo beneficiados. Os mais de 500 leitos ocupados durante o festival são uma prova disso. Esse tipo de evento é importantíssimo para os setores produtivos porque mostra que a cidade está preparada para bem atender o turista”, destaca o secretário de Desenvolvimento, Marcelo Fiorini.

Fonte: Prefeitura de Petrópolis

Crédito da foto: Ézio Philot / Ascom PMP