Festa em homenagem à cultura mexicana vai contar com altar pelo Día de los Muertos

Visitantes podem levar artefatos para homenagear amigos e familiares falecidos. ˜Viva La Vida!”, na Casa de Petrópolis, acontece domingo (31), das 11h às 17h
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Um dos principais símbolos da celebração em homenagem ao Día de los Muertos, um altar será montado na Casa de Petrópolis Instituto de Cultura, no domingo (31.10), para receber artefatos em homenagem aos entes queridos falecidos dos visitantes do evento. “Vida La Vida!”, que ocorre das 11h às 17h, vai promover uma série de atividades culturais para lembrar a data – uma das maiores festividades da cultura mexicana. 

O evento vai contar com apresentação musical tradicional do grupo Mariachis RJ, a partir das 14h. Antes, porém, quem abre a festividade é a diretora executiva da Casa, a historiadora Rachel Wider e a artista visual Lúcia Cris Campos, em uma roda de conversa sobre as perspectivas culturais da morte. Durante todo o evento haverá barracas com comidas e bebidas típicas e será possível fazer maquiagem típica. 

“Nosso foco é lembrar a cultura do México, numa festividade que celebra uma data de muita importância no país. Será um evento pequeno, até pela questão pandêmica, mas com um viés totalmente cultural com barracas dispostas nos jardins da casa. Espero que as pessoas utilizem a visita para aprender um pouco mais sobre essa cultura tão bonita”, destaca Rachel.  

            A programação conta com Los Mex, encarregado das comidas típicas; Cerveza Guapa, com as cervejas do local; Sol e Neve com paletas mexicanas; os chocolates e doces ficam por conta do Poderosas Delícias e os tradicionais churros pelo Churros da Mary. Já a maquiagem típica fica a cargo da Renegraça, e custará R$ 15 meio rosto e R$ 30 a face inteira. 

             Focada em lembrar e homenagear familiares e amigos falecidos, o Día de los Muertos é uma festa tão popular no México que, em 2003, foi declarada Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade pela Unesco. Por lá, a celebração pode durar até sete dias, começando por volta do dia 26 de outubro e indo até o dia 3 de novembro. 

O altar

O altar é um dos símbolos mais representativos da festa e não poderia ficar de fora da celebração que a Casa de Petrópolis vai realizar. Por isso, quem quiser poderá levar objetos como fotos, alimentos e bebidas, flores e objetos que lembrem o ente querido. No México, os altares são montados nas casas, escolas e até em locais públicos, e trazem uma série de objetos da cultura mexicana e do catolicismo, cada qual com um significado. Conheça!  

– Níveis: os altares muitas vezes contam com dois, três e até sete níveis diferentes e cada um tem um significado: os dois primeiros níveis representam a divisão entre o céu e a Terra, e trazem tanto elementos como a chuva, o vento e os raios de sol, como os frutos da terra. O terceiro nível simboliza o submundo, e costumava estar associado ao sistema de crenças asteca. Mas, por conta da influência europeia, ou seja, do catolicismo, esse nível também pode representar a Santa Trindade. Já os altares que contam com sete níveis são os mais comuns, e cada um dos “andares” designa os sete estágios pelos quais as almas devem passar antes de chegar ao céu – ou ao inferno. Os sete níveis também estão relacionados com os sete pecados capitais.

– Ofrenda: são os itens posicionados no altar que simbolizam presentes para os falecidos. Esses “mimos” são uma maneira dos mexicanos mostrarem seu amor pelos falecidos e geralmente são feitos na forma de pequenas porções das comidas preferidas dos mortos e também de doses de tequila.

– Calaveras:  item mais icônico do festejo, elas representam os amigos e parentes mortos e, frequentemente, são feitas de açúcar e chocolate. Quem se delicia com elas após a celebração do Día de Los Muertos são as crianças. As caveirinhas são um excelente exemplo de como os mexicanos comemoram, brincam e lidam com a morte.

– Flores: os arcos representam a passagem da alma ao mundo dos mortos. No entanto, nos altares com sete andares, os arcos muitas vezes simbolizam a crença asteca, e nesse caso designam o penúltimo nível no submundo de Mictlan. Já as cores das flores também têm significado, sendo que as brancas representam o céu, enquanto que as amarelas servem para guiar as almas ao mundo dos vivos e as roxas representam a cor tradicional do luto no México. 

– Papel de seda, velas e incensos: muitos altares são enfeitados com tranças e dobraduras feitas com papel de seda, quase sempre nas cores alaranjado e roxo, e esses adereços simbolizam a união entre a vida e a morte. Além disso, existem muitas velas também e suas chamas representam o amor dos vivos pelos que já partiram e servem para guiá-los em seu caminho. Já as lanternas que ficam penduradas sobre os altares representam a estrela de Belém, aquela que guiou os Reis Magos até a manjedoura para o nascimento de Cristo. Os mexicanos também colocam incenso ou um pouco de uma resina aromática usada em cerimônias indígenas chamada copal. Tanto um como o outro serve para purificar as almas dos mortos e espantar os espíritos malignos.

Fonte: Divulgação

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.