A redução e curto prazo e fim da violência contra mulheres e meninas é uma das ambições da Organização das Nações Unidas (ONU) registrada nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). São metas globais assumidas pelos países signatários para melhorar a assistência em saúde, diminuir as diferenças e discriminação entre gêneros, erradicar a pobreza, proteger e garantir paz e prosperidade, por exemplo.

Essas mesmas metas são estarão em pauta, de 14 a 19 de outubro, no Rio de Janeiro, Brasil, no XXII Congresso Mundial de Ginecologia e Obstetrícia. São aguardados aproximadamente 9 mil profissionais de todo o planeta, entre médicos obstetras e ginecologistas das 130 sociedades afiliadas nacionais da Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia (FIGO), juntamente com parteiras, enfermeiras, clínicos gerais e outros especialistas na assistência feminina e suas políticas, além de tomadores de decisão, ONGs, Organização Mundial da Saúde (OMS) e Organização das Nações Unidas (ONU).

Segundo César Fernandes, presidente da FEBRASGO, a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia. A FIGO trabalha globalmente para dar voz às mulheres e fortalecer a participação ativa delas, incluindo o debate sobre a violência de gênero:

“O foco é a eliminação de todas as formas de violência contra mulheres e meninas nas esferas pública e privada”, conforme descrito no ODS5.2”, relembra ele. “O momento é oportuno para um encontro desse porte e com tais polêmicas, especialmente se pensarmos que nosso País precisa mesmo rever certas estratégias de saúde à mulher”.

A violência contra o gênero feminino é um grave problema social no mundo inteiro. Afeta todas as classes sociais, diferentes etnias e ocorre em todas as regiões. No Brasil não é diferente.

“É algo pertinente a todos nós, portanto, um problema de ordem pública, para o qual devem estar atentos os agentes promotores de saúde e o Governo como um todo”, pontua César Fernandes. “A FIGO, com a responsabilidade que lhe cabe, faz muito bem de promover ações permanentes e em todas as nações pelos direitos da mulher. A nós, FEBRASGO, como afiliada da FIGO e sua representante no Brasil, cabe um engajamento pleno, oferecendo apoio e ajudando a divulgar.

A ONU informa que dados disponíveis das pesquisas realizadas entre 2005 e 2015, em 52 países (incluindo apenas um país das regiões desenvolvidas), indicam que 21% das meninas e mulheres entre 15 e 49 anos sofreram violência física e ou sexual nas mãos de um parceiro íntimo.

As quatro principais recomendações para reduzir os níveis de violência contra as mulheres são tornar público a gravidade do problema no mundo todo e também entre nós no Brasil, através de campanhas publicitárias a respeito; incentivar a responsabilidade compartilhada dentro do lar e da família com ações educativas eficientes e constantes ao longo do tempo para um engajamento masculino nesta causa; incentivar a participação plena e efetiva das mulheres e a igualdade de oportunidades em cargos de liderança em todos os níveis de tomada de decisão na vida política, econômica e pública; e assegurar o acesso universal à saúde sexual e reprodutiva e aos direitos reprodutivos.

Sobre o Congresso Mundial do FIGO – 2018
Em outubro, mais de 9.000 profissionais de saúde, obstetras e ginecologistas das 130 sociedades afiliadas nacionais da FIGO, juntamente com parteiras, enfermeiras, clínicos gerais e outros especialistas em saúde feminina e suas políticas, além de tomadores de decisão, NGOs, ONU e OMS irão se reunir no Rio para o Congresso Mundial da FIGO 2018.

O Congresso Mundial da FIGO terá discussões vitais referentes a essa importante área, incluindo um debate com especialistas do setor intitulado “Contracepção: a chave para atingir SDGs até 2030”; a Federação Africana de Obstetrícia e Ginecologia (AFOG) abordando “Serviços de cuidados com saúde reprodutiva e sexual na África: o passado, o presente e o futuro”; a OMS discutindo “Como melhorar a qualidade de atendimento para a saúde materna e de recém-nascidos – medindo as experiências das mulheres”; e o Instituto Guttmacher demonstrando “Como agilizar o progresso: Saúde e Direitos Sexuais e Reprodutivos para todos”.

Sobre a FIGO
FIGO é uma organização profissional que une associações obstétricas e ginecológicas de todos os lugares do mundo.

FIGO atua em nível global, especialmente em relação aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (SDG) referentes à saúde reprodutiva, materna, de recém-nascidos, crianças e adolescentes e a doenças não transmissíveis (SDG3). Também trabalhamos para aumentar o status das mulheres e viabilizar sua participação ativa para alcançar os direitos reprodutivos e sexuais, incluindo a abordagem de FGM e violência de gênero (SDG5).

A visão do FIGO é que as mulheres do mundo alcancem os mais altos padrões possíveis de saúde e bem-estar físicos, mentais, reprodutivos e sexuais durante toda sua vida, nós lideramos as atividades do programa global, com um foco específico na África Subsariana e no Sudeste Asiático.

Fornecemos ainda educação e treinamento para nossas Sociedades Afiliadas e desenvolvemos capacidades pessoas/profissionais de países com poucos recursos por meio do fortalecimento da liderança, boas práticas e promoção de diálogo político.

Temos relações oficiais com a Organização Mundial da Saúde (OMS) e um status consultivo na Organização das Nações Unidas (ONU).

 
Sobre a FEBRASGO

A FEBRASGO tem em seu DNA o objetivo de promover, apoiar e zelar pelo aperfeiçoamento técnico, científico e pelos aspectos éticos do exercício profissional de ginecologistas e obstetras, pautados pelo total respeito à saúde e bem-estar da mulher.

Toda nossa atuação é pautada pelos princípios da Ética, Excelência, Credibilidade, Inovação, Transparência, Representatividade, Conhecimento e Respeito. A importância histórica da FEBRASGO é gigante, conforme destaquei nas questões anteriores. Em resumo, podemos dizer que atuamos com dedicação e convicção para garantir condições adequadas à boa medicina para nossos associados, além de remuneração justa, que priorizamos a capacitação de alto nível desde a graduação até extensão e a formação continuada, que  trabalhamos em todas as esferas por qualidade na assistência à mulher e que somos uma força social viva, sempre pronta a perfilar em causas justas da saúde e da democracia.

 

Foto: César Fernandes, presidente da FEBRASGO, a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia

Fonte: Acontece Comunicação e Notícias