Foto: Reprodução Governo do Estado

Faperj faz financiamento em pesquisa paleontológica sobre mamíferos

A pesquisa recebe financiamento da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj).
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Um grupo de paleontólogos do Instituto de Geologia, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, realizou escavações para coleta de fósseis da megafauna Quaternária no município de João Dourado, na Bahia. A pesquisa recebe financiamento da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj). A pesquisa visa aprofundar estudos sobre a paleoecologia da fauna de mega-herbívoros Sul Americanos e, assim, descobrir antigos hábitos de vida desta fauna como os Mastodontes e Toxodontes do Nordeste do Brasil.

Durante os trabalhos de escavação e coleta dos fósseis foram descobertas e identificadas as seguintes espécies: Eremotherium laurilladi (preguiça gigante), Notiomastodon platensis (mastodonte), Toxodontinae (animal parecido com rinoceronte) e Glyptotherium (tatu gigante). Análises isotópicas e geocronológicas nas espécies Notiomastodon platensis e da família Toxodontidae, localizados na região, possuíam uma dieta mista, composta de plantas dos tipos C3 (arbustos, árvores, folhas e frutos) e C4 (gramíneas e herbáceas), durante o Pleistoceno/Holoceno. Segundo o pós-doutorando Fábio Henrique Cortes, esse tipo de alimentação indica um comportamento generalista para essas espécies e, também, condições paleoambientais condizentes com áreas de caatinga arbórea e áreas abertas com vegetação de gramíneas e herbáceas.

A pesquisa foi realizada com isótopos estáveis de carbono e oxigênio para responder a essas questões paleoecológicas e paleoambientais e a ideia, segundo Fábio Henrique, é aumentar a base de dados para inferir aspectos como: a paleodieta, sobreposição de nichos, amplitude de habitat e aspectos da vegetação fonte de alimento da megafauna na época Quaternária. Os primeiros resultados já estão submetidos ao periódico Journal South American Earth Sciences.

Estudos paleoecológicos ajudam a identificar o tipo de dieta, preferência de habitats, nichos ecológicos e mudanças da megafauna e dos mamíferos de épocas passadas.

Durante o Pleistoceno, a fauna de grandes (biomassa maior que 50 kg) e mega mamíferos (biomassa maior 1000 kg) eram a fauna característica da Região Intertropical brasileira, associada geralmente a ambientes abertos. Nas últimas duas décadas, análises paleoecológicas do tipo de alimentação realizadas através de isótopos estáveis de carbono e oxigênio têm aumentado consideravelmente, esclarecendo importantes aspectos paleoecológicos e paleoambientais sobre a megafauna Quaternária. Porém, perguntas relacionadas a distribuição paleobiogeográfica da megafauna e da vegetação fonte de sua dieta, sobreposição de nichos ecológicos e processo de extinção, relacionado às mudanças ambientais, ainda permanecem sem respostas.

Fábio Henrique recebe apoio como bolsista de Pós-Doutorado Nota 10 da Faperj, sendo orientado pelos professores Ismar de Souza Carvalho e Hermínio Ismael de Araújo-Júnior.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.