A família do homem baleado dentro de um bar localizado na Rua 7 de Abril, no Centro, contestou a versão apresentada pela Polícia Militar sobre a abordagem realizada. Segundo ela, o homem reagiu a abordagem da polícia porque não fez nada de errado e não queria ser algemado.

O caso aconteceu no dia 22 de novembro, quando o homem, de 25 anos, foi ferido na perna com um tiro efetuado por um policial militar, com a alegação de que o rapaz queria fugir. O homem também foi acusado de praticar roubo na região e tráfico de drogas na Praça da Liberdade, cerca de 500 metros do local onde aconteceu a abordagem policial. Na delegacia, o homem foi solto por falta de provas.

Sua esposa prestou depoimento na 105ª Delegacia de Polícia (DP), no Retiro, onde foi registrado o caso. Ela afirmou que o homem não tinha drogas ou qualquer outro material ilícito. Ela conta ainda que foi para o centro da cidade junto com seu esposo e seus dois filhos, mas se separaram porque precisava ir na Rua 7 de Abril. Ela e os filhos desembarcaram do ônibus antes dele e logo depois se reuniram na Praça 14 Bis. Em seguida aconteceu a abordagem policial.

De acordo com a ocorrência da Polícia Militar, os policiais estavam em patrulhamento na Praça da Liberdade quando perceberam que o suspeito estava traficando drogas no local. Ao ser abordado ele fugiu.

A esposa do rapaz ferido denunciou o caso à Corregedoria da PM, devido a conduta dos policiais. O homem continua internado no Hospital Santa Teresa (HST) devido ao ferimento. De acordo com familiares, o estado dele inspira cuidados.