Yvonne Lay, mãe do congolês Moïse Kabagambe, morto no Quiosque Tropicália, na praia da Barra da Tijuca, e Djodjo Baraka, irmão, se reúnem com membros da Comissão de Direitos Humanos da Alerj,

Família de Moïse será incluída em programa municipal de assistência

Além da preocupação financeira, há temor com a segurança.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

A família de Moïse Kabagambe será incluída em programas públicos de assistência. A decisão foi tomada pela secretária municipal de Assistência Social do Rio, Laura Carneiro, durante visita à casa da família.

“Desde o primeiro momento a prefeitura se colocou à disposição da família. Eles já estiveram com o prefeito Eduardo Paes e, agora, pediram que viesse para ouvi-los ainda mais e estarão sendo incluídos nos nossos programas socioassistenciais, tanto de transferência de renda, como de acolhimento e acompanhamento da família em vulnerabilidade”, declarou Laura Carneiro.

A secretária conversou com Ivana Lay, mãe de Moïse, e com os irmãos do jovem, Djojo Baraka, 21 anos, e Kevin, 7 anos, no apartamento, de 35 metros quadrados, onde vive a família.

Além da preocupação financeira, já que Moïse ajudava no sustento da casa, existe o temor de que a violência atinja a família, refugiada no Brasil para escapar dos horrores da guerra no Congo.

Inquérito

O Ministério Público do Trabalho no Rio de Janeiro (MPT-RJ) instaurou Inquérito Civil para apurar a morte de Moïse. Segundo informações da família, o jovem de 24 anos foi morto após cobrar duas diárias atrasadas. A investigação do MPT vai analisar a relação trabalhista entre as partes.

A denúncia aponta para o possível trabalho sem o reconhecimento de direitos trabalhistas, podendo configurar, inclusive, trabalho em condições análogas à de escravo, na modalidade trabalho forçado, de xenofobia e de racismo. O inquérito corre em paralelo com as investigações criminais.

Na manhã deste sábado (5), está marcado um protesto em frente ao quiosque Tropicália, reunindo defensores da causa negra e dos direitos humanos. Estão previstos protestos em outras cidades do Brasil e do exterior.

Fonte: Agência Brasil

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.