Foto: Ilustrativa / Reprodução da internet

Fabricante de ônibus Marcopolo fecha fábrica em Duque de Caxias

Parte dos funcionários da unidade Marcopolo em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro-RJ está sendo remanejada para a planta de São Mateus, no Espírito Santo
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

A fabricante de ônibus Marcopolo (POMO4) decidiu nesta sexta-feira (2) encerrar as atividades de sua fábrica localizada em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro, a partir do dia 30 deste mês de outubro.

De acordo com a empresa, a decisão é parte do processo de “otimização de plantas”, e as demais unidades absorverão a produção conforme os mercados se regularizarem no pós-pandemia.

A empresa afirma que a decisão deve trazer maior racionalidade a seus custos de produção. “A concentração das operações brasileiras em um número menor de fábricas vem contribuindo para a redução de custos e incremento da eficiência”, explica a companhia em fato relevante divulgado nesta sexta-feira. Não há detalhes sobre a destinação do quadro de funcionários da empresa.

A unidade da Marcopolo em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, produz os modelos Torino, Viale BRT e Viale BRS, todos destinados à mobilidade urbana. Outras plantas da companhia, no entanto, também produzem os mesmos modelos.

A fábrica do Rio de Janeiro é especializada em ônibus urbanos com origem na antiga Ciferal, tradicional encarroçadora do Estado, fundada em outubro de 1955 pelo imigrante austríaco Fritz Weissman. Em maio de 1999, a Marcopolo comprou a parte da RJ Administração e Participações S.A. na Ciferal, correspondendo a 50% das ações. A RJ Participações era formada por cerca de 200 empresas de ônibus do Rio de Janeiro, Espírito Santo e Minas Gerais. Em abril de 2001, a Marcopolo comprou a outra parte da Ciferal passando a controlar assim integralmente a companhia. O nome Ciferal, que era a sigla de Comércio e Indústria de Ferro e Alumínio, deixou de ser utilizado definitivamente em 2013, quando foi adotada a nomenclatura Marcopolo Rio.

No segundo trimestre, com o impacto da pandemia da covid-19 sobre o mercado, a Marcopolo viu o lucro líquido cair 98,6% em comparação com o mesmo período do ano passado, para R$ 1,3 milhões. A receita teve contração de 30%, e a produção total, de 45,7%.

Com o fechamento da unidade fluminense, a fabricante de ônibus passa a contar com três fábricas no País, sendo duas delas em Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, cidade onde está a sede da empresa, e uma em São Mateus, no Espírito Santo. No exterior, a empresa tem 11 fábricas.

Funcionários

Uma parte dos funcionários da unidade Marcopolo em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro-RJ está sendo remanejada para a planta de São Mateus, no Espírito Santo. A Marcopolo não informou a quantidade de funcionários transferidos, mas disse que os trabalhadores demitidos irão receber alguns benefícios além dos previstos em lei.

“Alguns colaboradores foram remanejados para a unidade São Mateus e os demais serão desligados.  Além de todos os encargos previstos em lei, a empresa está oferecendo como benefícios adicionais: 8 meses de plano de saúde, 4 meses de vale alimentação, cesta de final de ano e brinquedos de natal aos filhos dos colaboradores.” – diz trecho da nota.

O comunicado de fechamento da fábrica foi feito por meio de “Fato Relevante” ao mercado. Veja o comunicado publicado na íntegra:

FATO RELEVANTE

MARCOPOLO S.A. (“Companhia”), em cumprimento ao disposto no art. 157, §4º, da Lei nº 6.404/76 e na Instrução da Comissão de Valores Mobiliários nº 358/2002, vem informar aos seus acionistas e ao mercado em geral, que o Conselho de Administração, em reunião nesta data, aprovou o encerramento das atividades da planta industrial localizada em Duque de Caxias, RJ, a partir de 30 de outubro de 2020.

A decisão faz parte do processo de otimização de plantas e adequação da capacidade fabril da Companhia. A concentração das operações brasileiras em um número menor de fábricas vem contribuindo para a redução de custos e incremento da eficiência.

As melhorias operacionais alcançadas nos últimos anos permitirão que as plantas remanescentes tenham capacidade suficiente para absorverem a recuperação de volumes à medida que os mercados se regularizarem, em um cenário pós-pandemia.

Caxias do Sul, 2 de outubro de 2020.

José Antonio Valiati

Diretor de Relações com Investidores

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.