Exportação de soja em novembro bate recorde

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Por Raphael Costa

Em novembro, a exportação de soja no Brasil atingiu um recorde para o período. Segundo dados divulgados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, foram exportados daqui do Brasil mais de dois milhões de toneladas do produto. Ainda de acordo com a pasta, a venda de soja em grão aumentou 29%. Esses resultados colocam o país como principal exportador do grão no mundo, de acordo com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, CNA.

A alta nas exportações é reflexo de uma grande produção.Segundo dados divulgados no balanço da CNA para o ano de 2017, foram exportados mais de 65 milhões de toneladas do produto. A produção de soja também bateu recordes com 114 milhões de toneladas contabilizadas em 2017. Um acréscimo de 19,5% com relação à safra anterior.

Marcos da Rosa é presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Soja, a Aprosoja. Ele comenta que essa super produção brasileira pode ser explicada por conta das tecnologias investidas na produção e no clima propício. De acordo com ele, a venda dessa grande quantidade de soja só foi possível por conta de um aumento na demanda vindo, principalmente, de países asiáticos.

No entanto, ele dá detalhes que mostram que o cenário não é completamente positivo. “O produtor tem a necessidade de aumentar a produtividade por conta dos custos de produção, mas infelizmente, esses custos estão subindo junto com a produtividade. Embora o Brasil tenha um bom número de bilhões exportados, seja de soja ou de milho, o produtor não conseguiu colocar no bolso a renda dessa benécia a toda sociedade brasileira, porque os preços foram muito deprimidos”, afirmou.

O Brasil, de acordo com a CNA, é o segundo maior produtor mundial de soja. Para 2018, a CNA e a Aprosoja esperam uma safra menor do que a desse ano, uma queda em torno dos 1,7%. A previsão de exportação ficará em torno dos 66 milhões de toneladas, apesar da grande diminuição, o Brasil não perderá o posto de maior exportador do produto.

 

Fonte: Agência do Rádio Brasileiro | Foto: Reprodução da internet

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.