Estudo mostra que 55% das vítimas LGBT+ conheciam seus agressores ISP divulga estatísticas inéditas sobre LGBTfobia

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Lançada nesta segunda-feira (10/12) pelo Instituto de Segurança Pública (ISP), a primeira edição do Dossiê LGBT+, estudo inédito na área de Segurança Pública no Brasil, apresenta dados sobre a violência motivada por LGBTfobia no Estado do Rio. O documento teve como fonte o banco de dados dos registros de ocorrência da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro (PCERJ), relativos ao ano de 2017, disponibilizados pelo Departamento Geral de Tecnologia da Informação e Telecomunicações (DGTIT/PCERJ).

O estudo apontou que 431 pessoas registraram crimes motivados por LGBTfobia nas delegacias do estado, ou seja, uma vítima por dia, em 2017. Mais da metade dessas vítimas (55%) conhecia os autores da violência, 43,4% desses crimes ocorreram dentro de casa e jovens de 18 a 29 anos somam mais de 40% das vítimas. A violência moral correspondeu a mais da metade (51,4%) das denúncias, seguida da violência física e psicológica, ambas com 22,7%. A maior parte das vítimas era do sexo masculino (59,6%) e da cor branca (54,8%). A Zona Oeste do município do Rio de Janeiro foi a região do estado com maior número de crimes motivados por LGBTfobia.

Produzido em parceria com a Prefeitura do Rio, o dossiê buscou apoiar com dados a elaboração de políticas públicas voltadas ao combate da LGBTfobia, nos diversos meios sociais, além de divulgar os canais disponíveis para o encaminhamento de denúncias que possam prevenir ou combater tais ameaças ou violações.

– O material tem como um de seus objetivos dar visibilidade a este tipo de crime. Ele mostra que o Estado reconhece que este tipo de violência existe e que é um problema social. Também buscamos tentar informar a população sobre os canais de comunicação em defesa desta população – afirmou o analista do ISP, Victor Chagas Matos.

Aporte
O coordenador Especial de Diversidade Sexual da Prefeitura do Rio, Nélio Georgini, enfatiza a importância do documento.

– Este dossiê trouxe fundamentalmente um aporte de comunicação com a metodologia que a máquina pública entende – ressaltou o coordenador Especial de Diversidade Sexual da prefeitura, Nélio Georgini.

O dossiê completo está disponível no site www.isp.rj.gov.br.

Fonte: GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.