Estudo mostra boa proteção com duas doses da vacina AstraZeneca após 12 meses

Com as duas doses foi evidenciada a menor redução de efetividade nas variantes Gama e Beta.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Um estudo realizado na Suécia com pessoas infectadas pelo Sars-CoV-2 e com aquelas imunizadas com as vacinas Oxford/AstraZeneca (produzida no Brasil pela Fiocruz), Pfizer/BioNTech, e ainda com pessoas vacinadas em regime de intercambialidade entre as duas vacinas, mostra uma boa proteção após um período de 12 meses diante das chamadas variantes de preocupação.

Submetida sob a forma de preprint (sem revisão de seus pares), a pesquisa indica que com a utilização das duas doses da AstraZeneca foi evidenciada a menor redução de efetividade nos ensaios de neutralização nas variantes Gama e Beta — que notadamente tiveram as quedas mais significativas em todos os cenários avaliados. 

O surgimento de variantes como Alfa, Beta, Gama e Delta, provocaram preocupações sobre a eficiência de anticorpos neutralizantes induzidos por infecções da cepa nativa ou por vacinas baseadas na proteína denominada Spike, já que esta proteína está diretamente associada à capacidade de entrada do patógeno nas células humanas. Esse estudo buscou determinar a presença de anticorpos IgG e anticorpos neutralizantes contra as variantes a longo prazo. 

Boa resposta em relação à Delta 

A pesquisa descobriu que os anticorpos contra a proteína Spike da cepa nativa assim como os anticorpos neutralizantes continuaram detectáveis em 80% dos participantes mesmo um ano após infecção branda (não vacinados). A capacidade neutralizadora foi similar com à cepa nativa (usada como referência), Alfa (0.95) e Delta (1.03, ou seja, uma resposta até melhor do que o padrão, que é a resposta à cepa original 1), mas significativamente reduzida contra Beta (0.54) e Gama (0.51). 

De forma similar, duas doses de Pfizer ou duas doses da AstraZeneca permitiram uma capacidade sustentável contra Alfa e Delta — 1.01 e 1.03, e 0.96 e 0.82 respectivamente mesmo um ano após a vacinação.  Foi observada, no entanto, uma redução nas capacidades contra Beta (0.67 e 0.53) e Gama (0.12 e 0.54). O regime com duas doses da AstraZeneca apresentando uma queda significativamente menor frente a variante Gama que teve, e ainda tem, um grande impacto na pandemia de Covid no Brasil.

Em relação à combinação da AstraZeneca com Pfizer também foi evidenciada a queda frente as variantes de preocupação (0.74 e 0.70) contra Alfa e Delta e mais notadamente contra as variantes Beta e Gama(0.29 e 0.13). Comparando todos os regimes, a combinação AstraZeneca teve uma resposta mais consistente frente às variantes de preocupação quando comparado a resposta dos pacientes covalecentes e nos outros regimes avaliados no estudo (Pfizer/Pfizer e ou Pfizer/AstraZeneca)

As descobertas sobre a neutralização a longo prazo das variantes Alfa e Delta, amplamente disseminadas, um ano após infecção pela cepa original podem ajudar autoridades a traçarem estratégias de vacinação em casos de escassez de suprimentos, diz o estudo. Os resultados sugerem ainda maior precaução em relação às variantes Beta e Gama, num esforço para otimizar as próximas gerações de vacinas. 

Testes a cada quatro meses 

Entre 15 de abril e 8 de maio de 2020, 2.149 trabalhadores da saúde no Hospital Danderyd, em Estocolmo, na Suécia, foram inscritos no estudo. Eles foram convidados a repetir os exames de sangue a cada quatro meses. Foram usados dois tipos de testes: um medindo o IgG em resposta à proteína Spike e outro avaliando não só o IgG em resposta à proteína Spike, mas também a capacidade neutralizante contra a cepa original e as quatro variantes. 

Esse subestudo incluiu um grupo com todos os participantes que tiveram IgG positivo nos dois tipos de testes, todos os que fizeram os exames de acompanhamento e aqueles ainda não vacinados durante esse período de 12 meses. Todos os participantes relataram sintomas brandos e não necessitaram ser hospitalizados. Foram feitos exames sanguíneos também dos três grupos vacinados: com duas doses da Pfizer, duas da AstraZeneca ou com a intercambialidade dos dois imunizantes no estudo aprovado pela Swedish Ethical Review Authority. 

“As duas vacinas usadas no estudo se baseiam na proteína Spike da cepa original do Sars-CoV-2. E os três regimes de vacinação analisados suscitaram uma resposta similar contra a cepa original”, diz o estudo. “Até o momento, tem sido relatado que a mutação E484 afeta a ligação do anticorpo e a neutralização, e como tal tanto a Beta quanto a Gama poderiam escapar ao controle imunológico induzido pela cepa original ou pelas vacinas atuais”. Estes resultados podem auxiliar na definição dos regimes de vacinação mais adequados frente ao desafio das novas variantes do vírus. 

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Governo Federal apresenta balanço sobre câncer de mama

O Ministério da Saúde apresentou, nesta quarta-feira (20), no “Outubro Rosa”, um balanço sobre as ações da pasta na luta contra a doença no país e a importância de conscientizar mulheres a procurar, desde cedo, os serviços de saúde para diagnóstico.

Comentários estão fechados.