Foto: Divulgação

Estudo alerta sobre potenciais riscos à saúde causados pelo estresse térmico

Os dados constam das análises sobre saúde contemplados na componente de Impactos, Vulnerabilidade e Adaptação da Quarta Comunicação Nacional do Brasil à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC, na sigla em inglês).
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Um estudo inédito conduzido por pesquisadores da Fiocruz alerta sobre os potenciais riscos de aumento da mortalidade por doenças cardiovasculares e respiratórias devido ao estresse térmico, um termo técnico para definir o impacto do aumento das temperaturas no corpo humano.

Os dados constam das análises sobre saúde contemplados na componente de Impactos, Vulnerabilidade e Adaptação da Quarta Comunicação Nacional do Brasil à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC, na sigla em inglês), cuja elaboração é coordenada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI). A pesquisadora Sandra Hacon, da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz), coordena o projeto.

“Nós olhamos para o impacto da exposição acumulada a altos níveis de estresse térmico, que é considerado de extremo risco à saúde”, explica a doutora em saúde coletiva Ludmila da Silva Viana Jacobson. “O que acontece se você fica exposto durante sete dias, por exemplo, ao estresse térmico de alto risco? Qual o impacto disso em óbitos por doenças respiratórias e cardiovasculares?”, complementa a pesquisadora sobre as perguntas que nortearam o estudo elaborado para todas as capitais do país.

A mudança do clima está entre os maiores problemas ambientais da atualidade e entre as dez principais ameaças para a saúde global listadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Com o aumento global da temperatura, as projeções indicam que haverá intensificação do estresse térmico nos humanos, especialmente nas regiões tropicais.

O estudo buscou projetar o número de dias por ano associado a condições de estresse térmico, ou seja, quando o indicador WBGT supera 28°C. A temperatura de bulbo úmido (WBGT na sigla em inglês), é um indicador de estresse térmico composto pelas variáveis temperatura, umidade do ar, velocidade do vento e radiação solar, que representa a exposição a condições climáticas que influenciam a capacidade do corpo de manter a termorregulação. Esse índice que mensura a exposição ao calor que apresenta risco potencial à saúde humana é usado para avaliar o risco de sobrecarga térmica em atividades laborais em ambientes internos e externos.

Os pesquisadores estabeleceram o limiar do WBGT em 28°C, mas consideram que essa marca pode subestimar os impactos de eventos de estresse térmico devido às condições socioeconômicas e demográficas, ao acesso e à qualidade dos serviços de saúde e à capacidade de adaptação dos indivíduos. Além do número de dias com o WBGT acima de 28°C, os pesquisadores avaliaram os impactos associados em desfechos de mortalidade por doenças cardiovasculares para pessoas com idade maior de 45 anos, e por doenças respiratórias para pessoas com idade superior a 60 anos.

“A tendência é que, com o aumento da temperatura, o organismo reaja de alguma forma ao estresse térmico. Para as pessoas que têm problemas cardiovasculares ou alguma comorbidade, podem levar a situações mais sérias”, explica a professora da Ensp/Fiocruz e coordenadora do estudo, Sandra Hacon, que também é coordenadora da Sub-Rede de Saúde, uma das 16 áreas temáticas que reúne pesquisadores da Rede Clima.

O estresse térmico no corpo humano ocorre quando há um aumento de temperatura durante um tempo determinado, como ondas de calor. Durante esse tempo de adaptação de um organismo humano saudável é comum haver dores de cabeça, mal-estar e perda da agilidade nas ações. No entanto, para alguns grupos considerados mais vulneráveis, como gestantes, idosos e pessoas com comorbidades, o estresse térmico pode ser mais danoso. “Nas gestantes, por exemplo, pode haver uma oscilação da pressão arterial”, exemplifica Hacon.

A avaliação ao risco de exposição ao estresse térmico foi elaborada a partir de dados do Datasus e de modelos climáticos, considerando o aumento médio na temperatura global de 1,5°C (2011-2040), 2°C (2041-2070) e 4°C (2071-2099), comparado aos níveis pré-industriais.  As trajetórias globais de emissões de Gases do Efeito Estufa (GEE) é que devem definir o horizonte temporal sobre quando os níveis de aquecimento podem ser atingidos. “Os modelos já mostraram que há associação entre o nível de aquecimento global e o risco de óbitos e internações”, explica Jacobson

Efeitos do estresse térmico

Os pesquisadores detectaram que, conforme aumenta o nível de aquecimento global, aumenta também o número de dias com o WBGT acima de 28°C (conforme mostram as curvas em vermelho na figura). “O gráfico mostra que, conforme cenário de aquecimento global, as curvas se deslocam para a direita, aumentando o número de dias com WBGT acima de 28°C”, detalha Jacobson em relação à figura. As capitais do Norte e Nordeste que, no cenário SWL4, terão mais de 90% dos dias acima desse limiar. As cidades de Cuiabá, Rio de Janeiro e Vitória também devem ter impactos significativos.

Os resultados apontam que o impacto das condições de estresse térmico foi mais acentuado para óbitos por doenças respiratórias, comparados à mortalidade geral e por doenças cardiovasculares, e variam de acordo com a localidade. Entre as capitais, os óbitos por doenças cardiovasculares poderão impactar mais as cidades de Vitória, Rio de Janeiro, Palmas, Cuiabá e Porto Velho. Nas capitais do Mato Grosso e de Rondônia, estima-se que a fração de óbitos atribuída ao estresse térmico pode ficar acima de 30% no cenário SWL4.

Com relação aos potenciais óbitos por doenças respiratórias, destacam-se Rio Branco, Fortaleza, Vitória, Rio de Janeiro, Campo Grande, Goiânia, Boa Vista, Cuiabá e Palmas. Para as cidades de João Pessoa, Porto Velho e Belém, a fração atribuível é maior que 30% no cenário SWL4.

De acordo com a coordenadora da pesquisa, há desafios para os serviços e os profissionais de saúde para lidar com as altas temperaturas. As respostas às ondas de calor, por exemplo, que tem em geral duração de três a cinco dias, precisam ser rápidas no sentido de identificar os sinais e sintomas causados pelo estresse térmico. “É um alerta da ciência para que os serviços de saúde se preparem. Precisam capacitar os profissionais de saúde, levar a informação, discutir e ter na área de saúde especialização sobre mudança do clima”, conclui Hacon.

Fonte: FIOCRUZ

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.