Estudante de Física do Cefet/RJ campus Petrópolis publica artigo sobre astrofotografias em revista internacional

O artigo discorre sobre o uso de celulares em astrofotografias (fotos de estrelas e corpos celestes) e seu uso também como material didático no ensino da astronomia, identificando estratégias e possibilidades para utilização tanto na escola quanto na formação docente.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

A paixão por fotografia e o estudo da Física levaram o estudante Marcos Emanuel de Paula a um trabalho de pesquisa que rendeu reconhecimento internacional. O aluno do 4º período do curso de Licenciatura em Física do Cefet/RJ campus Petrópolis publicou o artigo Low-Cost Astrophotography with a Smartphone: STEAM in Action no periódico norte-americano The Physics Teacher, uma das mais importantes revistas especializadas em Ensino de Física.

O artigo discorre sobre o uso de celulares em astrofotografias (fotos de estrelas e corpos celestes) e seu uso também como material didático no ensino da astronomia, identificando estratégias e possibilidades para utilização tanto na escola quanto na formação docente. O celular e outros suportes de baixo custo são apresentado como ferramentas capazes de captar imagens de qualidade e a publicação traz algumas especificações que o celular precisa ter, assim como explica sobre alguns cuidados na hora de tirar as fotos. O trabalho também trata de algumas aplicações na prática docente sobre dados coletados por meio das astrofotografias. Por exemplo, a partir de cálculos baseados em dados de uma fotografia de longa exposição centrada no Polo Sul, é possível obter a velocidade da Terra.

“É essa e outras práticas que buscamos levar através do artigo para as escolas, para que os alunos possam ter uma melhor compreensão, na prática, sobre as leis físicas que nos cercam”, afirmou Marcos Emanuel. O estudante destacou ainda o valor interdisciplinar do trabalho, que além da física, envolve história, geografia (geolocalização), química (composição das estrelas), matemática, arte, tecnologia, entre outras áreas.

De fotografias como hobby a pesquisa científica

A ideia do artigo pegou Marcos Emanuel de surpresa. O aluno tinha acabado de comprar um celular para auxiliar nos seus estudos, montou um aparato por conta própria e começou a tirar fotos do céu. “Sem muita técnica”, relatou, mas seguiu tirando fotos porque “ver a Via Láctea em cores foi a melhor sensação do mundo”. Ao fazer comparações com o software Stellarium, que possibilita a observação do céu remotamente, o estudante resolveu apresentar suas astrofotografias para o professor Daniel Micha, que é co-autor do trabalho. “Ele ficou deslumbrado com as fotos que eu havia feito usando apenas o celular e logo me respondeu: isso dá um artigo!”, contou o estudante.

Com a orientação de Daniel, Marcos Emanuel partiu para o desafio de colocar em palavras todo o trabalho desenvolvido. “No começo, eu fiquei empolgado e, ao mesmo tempo, com receio de submeter o artigo para uma revista internacional. Mas só o fato de ver as fotos gerar um conteúdo importante e que poderá ser usado em sala de aula, e incentivar mais os jovens para ciência, eu sinto que estou no caminho certo e que estou contribuindo na ciência e na formação dos jovens. E isso com uma ferramenta que está sempre ao dispor dentro do bolso”, declarou.

A pesquisa abriu vários caminhos para o estudante. Ele foi bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Cientifica (Pibic), sob a orientação do docente Raul Neto, com quem continua seu estudo, e já teve um artigo publicado sobre a mesma temática no Simpósio Nacional de Ensino de Física (SNEF). Ele também atua como voluntário do projeto de extensão “Astronomia para todos no Cefet/RJ”, coordenado também pelo professor Raul.

“Escrever esse artigo foi uma realização muito importante e, com certeza, um passo enorme. Mesmo com meu gosto pela astronomia e minhas observações como um admirador do céu, foi através da universidade que passei a olhar com um olhar mais crítico e querer buscar mais sobre esse infindo universo”, ressaltou.

Para divulgar suas astrofotografias, Marcos Emanuel criou uma conta no Flickr e no Instagram.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.