Uma nova modalidade de fazer negócios e economizar na hora dos gastos fixos com a infraestrutura  de uma empresa começa a ganhar adeptos em Petrópolis. São os coworkings, ou escritórios compartilhados, com mobiliário e acesso à internet já incluídos num preço único. A economia chega, em alguns casos, a 50% do valor de custo de uma estrutura física tradicional. Mas o tema central deste modelo que vem crescendo no mundo  inteiro é compartilhar ideias e novas formas  de trabalho.

Um destes espaços escolheu um local estratégico para se estabelecer: no Polo Tecnológico no Quitandinha. Lá, desde o início do ano, a Conecta Coworking estimula a colaboração entre empresas de vários bairros e empreendedores com um escritório funcional.  O objetivo é despertar novos tipos de negócio em diferentes segmentos, conectando pessoas num mesmo local.

Ao todo, são 24 posições de mesa compartilhada e qualquer um pode ser o vizinho mais próximo, como forma de fomentar o colaborativismo. O interessado aluga estes espaços por hora, por semana ou por mês e pode trocar ideias, participar de workshops , bate papos e conhecer novas pessoas no mundo empresarial. “Queremos contribuir com o empreendedorismo criativo na cidade e esperamos agregar nesse ecossistema jovens, adultos e até seniors e freelancers em qualquer área”, diz o diretor executivo Thiago Ferreira. Ele cita ainda os benefícios de se poder realizar reuniões, eventos de trabalho e treinamentos agendados. “Já tivemos aqui jovens estudantes universitários, professores, empresas variadas  e até eventos como é o caso dos workshops do TEDx Petrópolis”, completou.

Segundo o censo Coworking Brasil, o estilo contava com mais de 378 espaços em 2016 e em 2017 já pulou para 810. São Paulo detém 50% dos escritórios compartilhados. No Rio, a atividade vem crescendo em função da crise:  de 2015 a 2016, houve um aumento de 52% na oferta de posições de mesas compartilhadas. O consultor, gestor de projetos e usuário de coworking, Alexandre Bassous, diz que a grande vantagem dessa modalidade, além da economia, é a rápida possibilidade de criar relacionamento com fornecedores, parceiros e possíveis investidores. “É um ambiente ideal, porque diminui a distância e o tempo entre as etapas de um negócio. Se um empreendedor precisa, por exemplo, elaborar um novo site com e-commerce, o seu fornecedor pode estar na mesa ao lado. Ali mesmo, ele tem a possibilidade de receber informações, dicas, fechar negócio e até montar parcerias”, explica.

Esta revolução está alterando para sempre a forma que pequenas empresas, profissionais freelancers e autônomos se relacionam entre si e com fornecedores e clientes. “É uma espécie de movimento mundial inspirador que busca construir um futuro melhor composto por colaboração, inovação e participação. Isso é muito democrático”, avalia Alexandre. Ele conta que a ideia nasceu nos Estados Unidos há 12 anos como um espaço perfeito para a nova economia. No mundo todo, estima-se que já existam mais de 4 mil coworkings em funcionamento.

Serviço – Conecta Espaços Colaborativos

Rua Afrânio de Mello Franco, 333 – sala 103 – Polo Tecnológico do Quitandinha

e-mail: contato@conectacoworking.com.br