Quinta da Boa Vista

Escritor e jornalista, Paulo Stucchi faz artigo sobre tragédia que atingiu o Museu Nacional "O Brasil segue ladeira abaixo. O último a sair, apague a luz. Ou, melhor, que varra as cinzas"

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Paulo Stucchi é psicanalista e jornalista. Atuou como redator, jornalista responsável e editor em jornais impressos e revistas. Também foi professor e coordenador de curso de Comunicação Social e atualmente, divide seu tempo entre o trabalho como assessor de imprensa e sua paixão pela Literatura, História e Psicanálise.

Após a tragédia que atingiu o Museu Nacional no último domingo, Paulo decidiu escrever um artigo mostrando que o Brasil já está em chamas há algum tempo. Problemas na saúde, educação, falta de incentivo a cultura e corrupção foram à tona, fazendo com que o descaso com esse monumento tão importante fosse a gota d’água para situações que estão se tornando normais no país, infelizmente.

O fogo que consome o Brasil foi o título do artigo que contém trechos bem diretos, polêmicos e verdadeiros por parte do jornalista.

  • Ao olhar para as imagens das chamas lambendo o que restara da bicentenária construção, não pode deixar de constatar, com tristeza, que aquele fogo tinha algo muito mais simbólico em seu poder destrutivo. Mais do que o acervo e as paredes do Museu Nacional ardiam e desfaleciam em fuligem; o que queimava, e ainda queima, é o próprio Brasil – Paulo Stucchi.

Stucchi não apontou culpados mas ao mesmo tempo disse que todos têm uma parcela de culpa sobre o ocorrido. Governo Federal, Governo Estadual do Estado do Rio de Janeiro, UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e até mesmo o povo, que segundo ele nunca foi de usufruir de espaços importantes para a história do Brasil.

O escritor aproveitou para alertar a sociedade sobre o ano eleitoral no trecho: “A morte do Museu Nacional não é a morte de um prédio antigo e de seu acervo. É mais uma execução bem pensada e planejada de uma teia administrativa composta por bandidos, que governa para seus iguais e que tem como finalidade dilapidar os alicerces essenciais para a construção de uma nação: educação/cultura, segurança, saúde, emprego, temas tão lembrados em época de eleição por nossos demagogos de plantão.”

  • O Brasil segue ladeira abaixo. O último a sair, apague a luz. Ou, melhor, que varra as cinzas – concluiu Paulo.

Por: Gabriel Malheiros

 

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.