Endividamento no Rio de Janeiro alcança 1,40 milhão de famílias em março e se mantém estável

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

De acordo com levantamento da Fecomércio RJ, o tempo médio das famílias com contas em atraso é de 61,2 dias além do prazo, cerca de 4,8 dias a menos que o observado em março de 2018

A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC RJ) mostra que o percentual de famílias endividadas no mês de março atingiu o nível de 59,4%, um aumento de 0,5 ponto percentual frente a fevereiro, devolvendo desta forma o recuo de 0,5 ponto observado entre janeiro e fevereiro. O percentual de endividados continua a oscilar dentro da faixa de 1,5 pontos percentuais desde maio de 2018, depois de ter iniciado trajetória de queda em janeiro do mesmo ano. O percentual de famílias endividadas caiu 3,9 pontos percentuais em relação ao mesmo mês do ano anterior. O dado representa cerca de 1,40 milhão de famílias com compromissos com cartão de crédito, empréstimos e financiamentos. O levantamento é da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Rio de Janeiro, apurado pela CNC.

O número de famílias com contas em atraso registrou aumento pela segunda vez consecutiva e igual a 0,8 pontos percentuais ante fevereiro de 2019 e atingiu 24,6%. Nota-se que aproximadamente metade das famílias com contas em atraso revelaram que não terão condições de pagar suas contas. De fato, esse contingente aumentou de 46,7% para 49,6% entre fevereiro e março de 2019.

Em média, no mês de março as famílias com contas em atraso demoram 61,2 dias além do prazo para quitá-las, contra 66 dias em março de 2018.

Tipos de dívidas

Segundo o levantamento da Fecomércio RJ, o cartão de crédito, que historicamente responde por mais de 70% dos que têm alguma dívida, recuou 1,7 pontos percentuais no comparativo com fevereiro de 2019 e atingiu 76,4%, mas continua sendo o principal meio de endividamento das famílias. De acordo com a pesquisa, há um ano esse percentual também era de 76,4%.

Em seguida, as principais dívidas mencionadas pelos entrevistados foram crédito pessoal (12,3%), carnês (10,5%), financiamento de carro (9,8%), crédito consignado (8%), financiamento de casa (7,9%) e cheque especial (7%).

O levantamento aponta ainda que as famílias com renda de mais de 10 salários mínimos usam menos o cartão (75,3%) que aquelas com menor renda (76,7%). Já as dívidas com financiamento de carro e imóvel são mais frequentes em famílias com maior renda, com 16,2% e 13,6%, respectivamente, contra 8,1% e 6,5% entre aquelas com rendimento inferior a 10 salários mínimos. Por outro lado, os carnês são utilizados por 11,3% das famílias mais pobres, ante 7,1% das famílias com maior renda.

Empréstimos

Foi observado que em março de 2019, os tomadores de empréstimo alongaram o prazo para pagamento da dívida. Na média, os agentes econômicos carregaram suas dívidas por 7,2 meses, três dias a mais que o observado no mês anterior. As famílias que realizaram empréstimos tinham em março deste ano 27,6% de sua renda comprometida com o pagamento da dívida, 0,4 ponto percentual inferior ao mês anterior e 1,2 pontos percentuais inferior a março de 2018.   

Fonte: Fecomércio RJ

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.