Empresa fluminense desenvolve carregador que funciona com energia solar O objetivo da tecnologia é “impactar socialmente, seja gerando emprego ou oportunidade de trabalho para quem produz essas tecnologias”

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Por Sara Rodrigues

Do estado do Rio de Janeiro, a empresa Insolar tem criado estratégias para levar tecnologias de energia solar para comunidades brasileiras. Com o objetivo de avançar os trabalhos, os fundadores decidiram participar do Edital de Inovação do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI).

Este edital seleciona empresas e projetos de inovação que desejam melhorar a produtividade e a competitividade no mercado industrial. Além do SESI, ele conta com a parceria do Serviço Social da Indústria (SESI) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

Quando a Insolar foi selecionada, os pesquisadores do SENAI sugeriram que o projeto da empresa fosse de criar uma tecnologia capaz de captar energia solar, armazenar em baterias e carregar aparelhos eletrônicos, como celulares e tablets. Foi aí que nasceu o Ombrelone Solar.

A produção do Ombrelone foi feita em parceria com o Instituto SENAI de Inovação em Química Verde, que fica no Rio de Janeiro. Os pesquisadores da instituição auxiliaram os donos da empresa a pesquisar quais seriam as melhores formas de desenvolver o projeto e tirá-lo do papel.

O cofundador da empresa Insolar, Henrique Drummond, explica que o objetivo dessa tecnologia é “impactar socialmente, seja gerando emprego ou oportunidade de trabalho para quem produz essas tecnologias”. Além disso, defende que é também para “dar visibilidade à energia solar, uma vez que a tecnologia, quando a gente começou ainda era muito pouco conhecida”, explica.

Desde 2004, o Edital de Inovação do SENAI já selecionou mil empresas e projetos inovadores, e investiu cerca de R$545 milhões. Os institutos de tecnologia oferecem apoio de pesquisadores e também laboratórios de ponta, onde são realizados os estudos.

O gerente do Instituto SENAI de Inovação em Química Verde, Paulo Roberto Furio, afirma que, desde 2015, quando foi inaugurado, o instituto tem como principal propósito promover o crescimento industrial sustentável, e por isso explica que os processos não são tão complicados para que as empresas busquem o edital.

“Nosso Edital de Inovação é fundamental, porque ele é pouco burocrático. As empresas se inscrevem, contam com nosso apoio para desenvolver os planos de negócio, os projetos se tornam atraentes para a empresa, bem como com a possibilidade da gente apoiar também”, defende Furio.

Com o edital, as empresas selecionadas podem trabalhar em diferentes segmentos, entre eles está a pesquisa de métodos de extração supercrítico de ativos naturais – que é utilizar solventes que reduzem a geração de resíduos –, e também a busca pela melhoria de processos na indústria de petróleo e gás.

De acordo com a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN), as empresas ou projetos selecionados no Edital de Inovação podem receber até R$400 mil para a pesquisa.

Fonte: Agência do Rádio Brasileiro

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.