Emissão de passaportes e identidades em Cartórios é suspenso em todo o país Pedido liminar suspende, até o julgamento do mérito, possibilidade de convênios entre órgãos públicos e cartórios para a emissão de documentos em todas as cidades do País

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Pedidos de emissão de passaportes, identidades, carteiras de habilitação, de trabalho, licenças maternidades e benefícios de aposentadoria que já poderiam estar sendo realizados nos 13.627 cartórios de todos os municípios do País estão suspensos. Por meio de ação proposta no Supremo Tribunal Federal (STF), o Partido Republicano Brasileiro (PRB) obteve liminar suspendendo a execução dos convênios até julgamento do mérito, em data ainda não definida.

Em razão desta suspensão, cidadãos que poderiam executar diversos serviços públicos e privados em seus municípios, permanecerão tendo que se dirigir até a repartição pública mais próxima, arcando com despesas de locomoção, alimentação e até mesmo hospedagem, ou então muitas vezes contratando intermediários para a realização destes serviços.

Na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 5.855), proposta em dezembro do ano passado, o PRB alega que o Congresso Nacional validou tema não afeito à matéria inicial da proposta, ao aprovar o projeto que deu origem à Lei Federal nº 13.484/2017. Na sequencia, o PRB também se elevou contra o Provimento nº 66/2018, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que regulava a matéria, alegando que o órgão havia “exorbitado de sua competência constitucional, violando a reserva de lei exigida pela Constituição para o tratamento da matéria”.

Tanto a Lei Federal, como o Provimento do CNJ objetivavam transformar os cartórios em balcões de serviços ao cidadão, realizando a intermediação entre o pedido do usuário e o órgão público, cabendo a este último a realização do procedimento. Posteriormente, os cartórios realizaram a entrega ao cidadão do documento ou benefício expedido pelo órgão público. O objetivo era utilizar a extensa malha dos cartórios, que não importam em custos aos cofres públicos, para evitar deslocamentos do cidadão e facilitar o acesso aos serviços.

Ao acatar o pedido liminar, o ministro Alexandre de Moraes explicou que “a norma impugnada autoriza o desempenho de atividades remuneradas antes não inseridas no rol de atribuições delegadas, implicando alteração significativa no regime de delegação dos ofícios de registro de pessoas naturais”. A matéria agora aguarda definição de data para julgamento do mérito.

Os cartórios brasileiros já realizam diversos serviços por meio de convênios com órgãos públicos e privados, entre eles a emissão de certidões de nascimento em maternidades, parceria com a Receita Federal do Brasil para a emissão do CPF, já nas certidões de nascimento, transmissão eletrônica de transferência de automóveis, e vistorias, licenciamentos e emplacamentos de veículos em estados como Rio Grande do Sul.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.