Foto: Reprodução da Internet

Em ação emergencial, Serviço Geológico do Brasil está mapeamento as áreas afetadas por deslizamentos em Petrópolis

O órgão também vai dar apoio na avaliação de riscos em unidades museológicas do Museu Imperial e Palácio Rio Negro
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

O Serviço Geológico do Brasil (SGB-CPRM), juntamente com o Departamento de Recursos Minerais do Rio de Janeiro (DRM) e a Prefeitura de Petrópolis estão realizando o mapeamento emergencial das áreas de risco, após os deslizamentos registrados desde a terça-feira, dia 15/02, em Petrópolis (RJ), que causou 178 mortes, sendo considerada a maior desastre

Os geólogos iniciaram as atividades neste sábado, 19/02. Atendendo pedido da Defesa Civil municipal, já concluíram vistoria para levantamento das zonas instáveis nos bairros Mosella, Moinho Preto e Serra Velha. Uma equipe de engenheiros cartógrafos também participa do trabalho, realizando levantamento macro da região com imagens de drones.

O geólogo Thiago Dutra, que está participando da força-tarefa pelo SGB-CPRM, explicou que o relevo da região possui favorabilidade a processos de deslizamentos causados pelo excesso de chuva, que neste evento chegou a registrar precipitação de 260 mm em seis horas. “O relevo é muito acidentado e não tem espaço para consolidar a ocupação humana. Além do terreno naturalmente instável pelo processo de erosão, há cortes verticais, descarga de águas servidas, que aumentam o contexto de desestabilização das rochas”, relatou.

O SGB-CPRM também vai dar apoio no mapeamento emergencial de riscos em unidades museológicas. O órgão está atendendo solicitação do Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres, ligado ao Ministério de Desenvolvimento Regional (MDR), que por sua vez recebeu a demanda do Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM) sobre os riscos às unidades do Museu Imperial e Palácio Rio Negro.

O objetivo é obter o levantamento topográfico, a avaliação do solo das áreas afetadas, bem como a indicação de procedimentos e soluções para as demandas identificadas. De acordo com o chefe do Departamento de Gestão Territorial, Diogo Silva, a preocupação manifestada pelo Ibram é para um eventual risco de atingimento das estruturas e do patrimônio cultural associado.

Além do trabalho de campo, os geólogos, engenheiros e geógrafos precisam efetuar atividades de escritório relacionadas ao gerenciamento do evento extremo. As áreas de risco identificadas precisam ser cadastradas, é feito um registro de desocupação e uma notificação para que as áreas vulneráveis sejam desocupadas.

Foto: Reprodução da Internet

O SGB-CPRM é responsável no âmbito do governo federal por produzir mapas que auxiliam na prevenção de problemas relacionados aos desastres de origem geológica, seguindo as diretrizes e objetivos estabelecidos pela Política Nacional de Proteção e Defesa Civil, instituída pela Lei Nº 12.608/2012, de forma a estabelecer ações voltadas à prevenção, mitigação, preparação, recuperação e resposta aos desastres, envolvendo de maneira integrada a União, Estados e Municípios.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.