© Arquivo/Agência Brasil

É autorizado uso de imóveis do governo por famílias de policiais que perderam suas vidas em operações

No caso de incapacidade de funcionários da segurança, o projeto permite o comodato de imóveis pelo prazo em que durar a incapacidade laboral do servidor.
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

O Governo do Estado será autorizado a conceder em comodato – empréstimo para uso com devolução futura – imóveis estaduais ociosos a famílias de agentes de segurança mortos ou incapacitados durante o serviço, e a parentes de servidores da saúde mortos em decorrência da pandemia do coronavírus. É o que determina o Projeto de lei 1.414/19, de autoria do deputado Coronel Salema (PSD), que a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou nesta quarta-feira (26/05), em discussão única. O texto seguirá para o governador Cláudio Castro, que tem até 15 dias úteis para sancioná-lo ou vetá-lo.


No caso de incapacidade de funcionários da segurança, o projeto permite o comodato de imóveis pelo prazo em que durar a incapacidade laboral do servidor. Caso a incapacidade laboral seja total e permanente, as famílias poderão utilizar o imóvel sem tempo determinado.


Ainda de acordo com o texto, os beneficiários ficarão responsáveis por conservar a moradia, pagar todas as taxas inerentes ao imóvel e arcar com as despesas decorrentes da utilização – água, luz, gás, entre outros. Caso o governo decida desapropriar o imóvel ocupado, o beneficiário terá prazo máximo de 120 dias para desocupar.


A proposta complementa a Lei 9.227/21, que já autoriza a alienação onerosa, ou seja, a venda de imóveis estaduais aos funcionários da segurança pública.

“O novo projeto tem como objetivo preservar o direito à moradia das famílias de policiais militares falecidos em serviço. Enquanto os PMs estão no serviço ativo, eles são beneficiados com uma indenização de auxílio moradia que integra a remuneração total, chegando a representar de 1/4 a 1/5 dos seus ganhos. Quando ocorre o falecimento do policial, esse valor da remuneração deixa de integrar a pensão, fazendo com que haja uma enorme perda de renda da família e muitas delas não possuem imóvel próprio”, justificou o autor da proposta.

Fonte: Alerj

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Faetec: inscrição está aberta para profissional bolsista e outros cursos

Os interessados em realizar um curso profissionalizante podem se candidatar ao edital Qualificação Profissional (voltado para quem possui, no mínimo, Ensino Fundamental incompleto), ou ao edital de Técnico de Nível Médio (destinado para quem está no ato da matrícula cursando o segundo ou terceiro ano do Ensino Médio).

Comentários estão fechados.