O impacto da chuva que caiu na cidade no último sábado (04.03) foi menor graças a ações do Plano Verão executado pela prefeitura. O planejamento para mitigar e responder às necessidades em caso de temporais incluiu, por exemplo, o programa Rio Limpo, que retirou mais de 5 mil toneladas de sedimentos do Piabanha, Palatinato e Quitandinha desde novembro do ano passado. Além disso, a prefeitura fez limpeza e desobstrução de galerias de águas pluviais e ralos de drenagem 395 vezes em 228 locais apenas em 2017.

“Essa ação tem que ser permanente. É uma das premissas para tornarmos a cidade resiliente. Se temos historicamente, problemas e alagamentos, as formas de mitigar esta, que é uma das consequências das chuvas fortes, tem de ser permanentes e ampliadas”, cita o prefeito Bernardo Rossi.

Limpeza de bueiros e desassoreamento dos rios seguem sendo realizados este ano. Depois de fazer a remoção de terra, pedras e outros sedimentos em locais como Centro, Mosela, Cel. Veiga, Ponte Fones e Corrêas, o serviço de limpeza dos rios foi levado para Bonsucesso e, na sequência, vai seguir por Nogueira. O programa Rio Limpo é feito pelas Secretarias de Obras, Meio Ambiente, Comdep e Águas do Imperador, com aval do Inea.

A desobstrução de galerias e ralos também continua. Só entre janeiro e fevereiro, o trabalho ocorreu em Chácara Flora, Quarteirão Ingelheim, Quarteirão Brasileiro, Alto da Serra, Estrada da Saudade, Quitandinha, Siméria, Quissamã, Valparaíso, São Sebastião, Duarte da Silveira, Cascatinha, Itamarati, Itaipava, Roseiral, Estrada Mineira (Corrêas), Bairro da Glória, Atílio Marotti, Retiro, Morin, Independência, Alcobacinha e diversos locais como no Centro Roberto Silveira, Barão do Rio Branco, Dr. Sá Earp e Rua do Imperador.

“O Plano Verão está dando resultados dentro dos objetivos principais dele, que é reduzir o impacto da chuva e reunir todos os órgãos envolvidos para fazer tudo que é necessário para voltar com a normalidade em todos os locais atingidos. Sem dúvidas, o trabalho feito nos últimos meses fez com a que força da chuva tivesse menos impacto do que poderia ter. E a coordenação dos trabalhos é o que permite que todos os locais que tiveram lama já estejam desobstruídos em dois dias e os serviços estejam funcionando praticamente sem interrupções”, afirma o prefeito Bernardo Rossi.

Corrêas: 1,3 mil toneladas de sedimentos removidos

Em Corrêas, a chuva arrastou muito lixo, que acabou preso na ponte que liga a Estrada União e Indústria à Praça Luiz Furtado da Rosa. A quantidade de lixo poderia ser ainda maior: só neste ponto, a limpeza do Rio Piabanha, feita pelo Inea, foi responsável pela retirada de 1,3 mil toneladas de sedimentos em dezembro.

“É importante a população também se conscientizar de não jogar lixo no rio e nem deixar na beira, porque ele pode acabar sendo levado para dentro do leito. A dragagem serve para remover terra e pedras que atrapalham o fluxo da água, mas o serviço acaba encontrando muitos sacos de lixo, garrafa pet e até móveis e eletrodomésticos maiores”, lembra o prefeito.

No local, o trabalho de limpeza foi feito no domingo com auxílio de uma pá mecânica, um caminhão e um caminhão pipa da Águas do Imperador. A CPTrans também atuou para orientar o trânsito no acesso à praça do bairro.

Ações rápidas de resposta para restabelecer ônibus e garantir fornecimento de água e luz

Durante todo fim de semana, 55 homens da Defesa Civil, mais 60 homens de Comdep e secretarias de Obras e Serviços e todos os 11 agentes de trânsito da CPTrans foram mobilizados para atender as ocorrências, iniciar o serviço de limpeza e orientar o trânsito nos locais atingidos.

A limpeza, que continua nesta segunda-feira, ajudou a liberar a circulação de ônibus das empresas Petro Ita e Cidade das Hortênsias. As linhas que passam pela Rua Timóteo Caldara, no Bela Vista, serão liberadas para voltar ao itinerário normal após a remoção total da pedra que rolou para a via – trabalho que está sendo feito pela Secretaria de Obras.

No Caxambu, um dos pontos em que a chuva foi mais forte, o fornecimento de água não foi interrompido graças a manobras realizadas pela concessionária Águas do Imperador, que fez a distribuição para o local a partir do sistema da Mosela e com caminhões pipa. O serviço para normalizar a distribuição pelo sistema Caxambu Grande segue sendo feito pela empresa. Regiões mais altas ou mais distantes atendidas pelo sistema Montevideo (que fica no Caxambu), está com abastecimento prejudicado, mas sem interrupções do fornecimento – casos da Comunidade do Ventura e Fragoso (Estrada da Saudade) e Atílio Maroti (Quarteirão Brasileiro).

Nos locais mais atingidos, a Enel também reforçou o número de equipes e restabeleceu o fornecimento que foi interrompido pontualmente ainda no domingo em Morin, Caxambu, Cascatinha, Bela Vista, Corrêas, Nogueira, Itamarati e Itaipava. A força dos ventos chegou a derrubar árvores sobre a rede elétrica, causando a queda de postes e fiação. O alagamento de ruas e a queda de barreiras também dificultaram o acesso de equipes a alguns locais, segundo a empresa.