Diploma recebido pelo Dr. Luiz Teixeira

Dr. Luiz Teixeira da Silva Junior é agraciado com a medalha MMDC

Integrantes do Judiciário também recebem a Medalha
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

O ano de 1932 foi um marco não só para o Estado de São Paulo. Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo, os jovens que morreram durante a Revolução Constitucionalista naquele ano, serviram de inspiração para a criação das Medalhas MMDC.

O patologista clínico, Dr. Luiz Teixeira da Silva Junior se diz emocionado por ter sido reconhecido com a Medalha MMDC. A homenagem, segundo ele, foi inicialmente replicada em um texto publicado há cinco anos pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP).

Me sinto agraciado e tão forma que me sinto na obrigação de me tornar um ser humano cada vez melhor“, disse Luiz Teixeira.

Em uma matéria publicada no site “Feira 24 horas”, em 20 de fevereiro de 2019, o ex-presidente do TJSP, o desembargador José Renato Nalini, o presidente do Tribunal de Justiça Militar, Paulo Adib Casseb e o juiz do TJM-SP, Silvio Hiroshi Oyama, foram agraciados no gabinete da Presidência, no Palácio da Justiça, com a outorga da “Medalha MMDC”. A homenagem é oferecida a personalidades que se destacam pelos relevantes serviços prestados a São Paulo e ao culto da Revolução Constitucionalista de 1932, se tenham tornado pessoas dignas de especial distinção.

Ainda segundo a reportagem, as medalhas foram entregues pelo presidente da Associação de Veteranos de 1932, coronel PM Mário Fonseca Ventura, que destacou o ato de heroísmo daqueles que participaram da Revolução de 32.

Sentimos orgulhosos da outorga. Em junho de 2011, MMDC se tornaram heróis nacionais por meio de lei promulgada pela presidente Dilma Rousseff.”, teria dito o PM Mário Fonseca Ventura na cerimônia.

Em seu agradecimento, o ex-presidente Nalini teria citado a honra de receber a medalha junto com o presidente do TJM – pai e tio do também homenageado, que tiveram grande influência em sua vida acadêmica.

“Aprendi muito com os eminentes membros da família Casseb.”, disse Nalini.

Minha mãe, nascida em 1921, menina ainda à época, nos contava sobre a experiência por ela vivida. O tempo vai filtrando todos os preconceitos e incompreensões. A vitória moral foi de São Paulo e temos certo constrangimento em honrar nossas tradições. São Paulo precisa perder o constrangimento para assumir o seu protagonismo em todas as áreas com o mesmo brio, raça, idealismo, coragem e coerência de 32.”, concluiu Nalini.

Também teriam prestigiado a solenidade, o desembargador Armando Sérgio Prado de Toledo, o juiz assessor da presidência Afonso de Barros Faro Júnior, o comandante do Exército Constitucionalista, Willian Mascarenhas, o comandante do CPA-M1 coronel Celso Luiz e o chefe da Assessoria Policial Militar do TJSP, tenente coronel PM Washington Luiz Gonçalves Pestana. A homenagem também teria sido estendida dias depois na Comarca de Barueri – SP.

Já pra mim é um reconhecimento de grande importância na minha vida pessoal e principalmente profissional por se tratar de relevantes serviços prestados à Saúde. Portanto este dia será́ lembrado“, disse o patologista clínico Dr. Luiz Teixeira da Silva Junior, pós graduado em capitação e transplante de órgãos e tecidos pelo hospital israelita Albert Einstein, ex-superintendente do Hospital Dr. Francisco Moran.

 

Medalha MMDC – O significado da sigla “MMDC” se deve às iniciais dos nomes dos quatro estudantes Martins, Miragaia, Drausio e Camargo, que reivindicando para o povo brasileiro uma Constituição que visasse um Estado Democrático de Direito, no dia 23 de maio de 1932, na Praça da República, em São Paulo, acabaram por serem baleados por parte do governo ditatorial e faleceram. O sangue desses quatro heróis (Lei Federal 12.430/11) culminou na guerra denominada “Revolução Constitucionalista de 32” e trouxe bons reflexos à nação, pois em 1934 o Governo promulgou uma Carta Constitucional assegurando diretos e garantias individuais a todos os brasileiros.

O Tribunal de Justiça de São Paulo foi instalado no dia 3 de fevereiro de 1874, sendo denominado Tribunal da Relação de São Paulo e Paraná. Por se tratar de províncias bastante inexpressivas, foram nomeados apenas sete desembargadores para integrar o Tribunal, que tinha a função de julgar todas. As primeiras instalações se deram em casarões situados no centro da capital paulista.

 

Fonte: Feira 24 horas (https://www.feira24horas.com/noticia/1724/)

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.