Grande parte da população sofre com dores de cabeça, mas o que a maioria das pessoas não imagina é que elas podem estar ligadas aos problemas de ATM, sigla para Articulação Têmporo-Mandibular, que na verdade são duas articulações que liga a mandíbula à base do crânio e é responsável por todos os movimentos. Cerca de 90% da população mundial já teve ou tem disfunção articular (DTM), que podem ser causadas por diversos fatores: estresse, problemas oclusais (engrenamento entre os dentes), hábitos como mascar chicletes, anquilose (rigidez na articulação) e até mesmo pequenos acidentes na infância que refletem na fase adulta. Como consequência, nos casos mais típicos, ela pode provocar fortes dores de cabeça, estalos ao abrir e fechar a boca, zumbido no ouvido, dores na face e travamento da abertura da boca.

Para tratar desse problema, o cirurgião buco maxilo facial, Dr. José Flávio Torezan, explica que a maioria dos casos podem ser tratados com procedimentos clínicos. Cerca de 80% dos problemas que atingem as ATM’S são tratados com correções dentárias (ortodontia e ajustes da mordida) placas rígidas de resina (que ajudam a relaxar a musculatura), fisioterapia específica e associação de outras terapias como psicoterapia e pilates. Caso não haja uma resposta clínica satisfatória, alguns procedimentos cirúrgicos devem ser avaliados. Normalmente as cirurgias são indicadas para pessoas que possuem maior limitação de abertura de boca, anquiloses (rigidez articular), pacientes que sofreram no passado traumas na região das articulações e pacientes portadores de artrites (problemas sistêmicos), como artrite reumatoide.

Há vários tipos de cirurgia e o bom especialista sabe identificar qual será melhor indicada para cada caso. A cirurgia mais comum e mais simples é a Artrocentese, que consiste na lavagem da articulação através de pequenina perfuração a frente do ouvido. Esse procedimento pode até ser feito com anestesia local e remove proteínas inflamatórias no líquido que envolve a articulação. Há também procedimentos através de artroscópio – pequenas “agulhas” que possibilitam ao cirurgião enxergar dentro da articulação, sem fazer nenhum corte. Os resultados costumam ser satisfatórios, mas é necessário que os pacientes sigam todas as orientações pós-operatórias feitas pelo cirurgião. Em quadros severos, existem cirurgias mais complexas que envolvem a troca total das articulações por próteses sofisticadas que fazem o papel da antiga articulação, só que funcionando sem dor ou desconforto.

Nos casos de afrouxamento do menisco articular, condição geralmente associada a traumas antigos na articulação, as cirurgias consistem em “puxar” os ligamentos para trás e fixa-los novamente na posição adequada. Mas o cirurgião lembra ainda que as cirurgias só são indicadas, se a resposta clínica aos tratamentos conservadores não for satisfatória.

Para evitar o sofrimento prolongado e desnecessário o paciente deve sempre procurar um cirurgião dentista buco maxilo facial assim que perceber algo errado nas ATM’S. São poucas as pessoas que conseguem identificar os problemas articulares. Em geral passam por várias especialidades médicas, até chegar no cirurgião-dentista. É de extrema importância que todas as pessoas que descubram ter disfunção das ATM’S tratem de maneira correta com o cirurgião-dentista e sejam orientadas quanto a várias mudanças de hábito como praticar pilates, psicoterapia e diminuição do estresse, conclui o Torezan.

Crédito da foto: Reprodução da Internet