Com o intuito de orientar a população e sensibilizar para entender as formas de trabalho infantil, a Secretaria de Assistência Social e Cidadania (SASC) lançou, nesta quarta-feira, 26/09, a Campanha de Sensibilização e Enfrentamento ao Trabalho Infantil de Diadema. Com o tema “Muitas crianças só são crianças quando sonham. Ajude a mudar essa realidade. Não incentive o trabalho infantil”, o evento reuniu cerca de 300 pessoas no Teatro Clara Nunes. Durante o lançamento, foi apresentada a peça teatral “Criança sem Ciranda” – que faz parte da campanha e terá mais seis exibições em regiões da cidade – além de uma apresentação cultural realizada pelos adolescentes dos Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos da SODIPOM e da TABEA, parceiros da SASC.

O Trabalho Infantil é aceito culturalmente e existe um senso comum de que “é melhor trabalhar do que roubar”. Portanto, a campanha visa também evidenciar a forma com que as pessoas podem auxiliar as políticas públicas do município a desenvolver estratégias de erradicação do trabalho infantil por meio dos canais de denúncia.

“A atividade de hoje faz parte do Plano Municipal de Estratégias de Enfrentamento ao Trabalho Infantil, que segue diretriz dos Governos Estadual e Federal. Nosso objetivo é fazer com que a população entenda que o menino que está no semáforo fazendo a venda de balas, malabarismo ou limpando o vidro do carro está em trabalho infantil e que ao ser remunerado, está tirando a possibilidade de sair dessa situação”, destacou a secretária de Assistência Social e Cidadania, Caroline Rocha.

A Campanha de Sensibilização e Enfrentamento ao Trabalho Infantil engloba folder, cartaz, outdoor, busdoor, vídeo institucional, peça teatral e um diagnóstico de trabalho infantil. O folder, que será distribuído para a população, contém explicações sobre o que é o trabalho infantil, o motivo pelos quais a criança não pode trabalhar – ressaltando que o trabalho infantil rouba a infância e condena o futuro – e como ajudar no combate ao trabalho infantil. O vídeo institucional, que será veiculado nas redes sociais, traz a mensagem de que o trabalho infantil acaba com o sonho da criança e incentiva a denúncia. Já a peça teatral tem o foco na necessidade que a criança tem de ser criança, dando exemplos de trabalho infantil e de exploração nos serviços domésticos.

Além disso, o município conta com o Serviço Especializado de Abordagem Social que realiza a busca ativa e identifica, nos territórios, a incidência de situações de risco pessoal e social. Quando identificada a situação de trabalho infantil, tanto a família quanto a criança ou adolescente são encaminhados para os serviços do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) ou do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), e também para o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, que são desenvolvidos por Organizações da Sociedade Civil, em parceria com a Prefeitura.

“É importante fortalecer os espaços existentes de discussão da temática como, por exemplo, a Comissão Municipal de Enfrentamento ao Trabalho Infantil (COMPETI), que elaborou e executa o Plano Municipal de Ações Estratégicas do PETI”, falou a representante da COMPETI, Tânia Machado Aires.

O evento também contou com a presença dos secretários de Educação, Cacá Vianna, de Cultura, Eduardo Minas, de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, Laércio Soares, de Comunicação, Carla Dualib, da presidente do CMDCA, Luciana Nogueira, do representante dos Conselhos Tutelares, Renato Moreira, e da representante do Comitê Estadual de Ações Estratégias do PETI, Grazielly Souza dos Reis, além de alunos das escolas próximas, profissionais da SASC, da Saúde, da Educação e dos Serviços de Convivência e Fortalecimento.

Conheço uma criança que está trabalhando. Como faço para denunciar?

Conselho Tutelar I
Av. Antonio Sylvio Cunha Bueno, 1.322 – Jd. Inamar
Telefones: 4059-0569 e 4059-79-10

Conselho Tutelar II
Rua Oriente Monti, 201 – Centro
Telefone: 4053-8005

Conselho Tutelar III
Rua Guaricica, 45 – Piraporinha
Telefone: 4044-2171

Disque 100
www.humanizaredes.gov.br