Foto: Alexandre Simonini/Detran.RJ

Detran.RJ emite documento de identidade para PCDs  durante ação em parceria com TJRJ

A programação, em comemoração ao Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, foi promovida pelo TJRJ, que também ofereceu outros serviços em sua sede
Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Com emissão de carteira de identidade para Pessoas com Deficiência (PCD), o Detran.RJ, por meio da Diretoria de Identificação Civil, participou, nesta quinta-feira (1/12), de uma ação do Tribunal de Justiça do Estado do Rio (TJRJ). A programação, em comemoração ao Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, foi promovida pelo TJRJ, que também ofereceu outros serviços em sua sede.

“Estamos aqui atendendo a pessoas portadoras de deficiência, em parceria com o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, após contatos com a desembargadora Regina Lúcia Passos. O objetivo é eliminarmos os sub-registros em nosso estado. Mais uma vez, com a orientação do governador Cláudio Castro e do presidente do Detran.RJ, Adolfo  Konder,  estamos cumprindo a missão de levar mais cidadania e dignidade para a população fluminense”, ressaltou o diretor de Identificação Civil do Detran.RJ,  Pedro Thompson.

Sem necessidade de agendamento prévio e de forma gratuita, dezenas de pessoas puderam solicitar a carteira de identidade. Além de promover a inclusão, o documento de identificação possibilita o requerimento e obtenção de benefícios sociais. A psicóloga Fernanda Rego chegou cedo para solicitar o documento com o símbolo da deficiência e o cartão diferenciado PCD.

“Tenho a carteira de identidade com identificação da deficiência. Mas, agora, como tem o símbolo específico da deficiência no documento, é muito importante para gente ser reconhecido e acessar nossos direitos. E ainda tem o cartão diferenciado com o registro da deficiência. É por isso que estou aqui, para pegar o cartão diferenciado PCD”, disse a psicóloga.

A presidente da Comissão Permanente de Acessibilidade e Inclusão do TJRJ, desembargadora Regina Lúcia Passos, disse que a ação foi realizada para facilitar a vida da pessoa com deficiência.

“Nossa comissão tem uma função muito importante, que é promover e orientar a questão da acessibilidade e da inclusão. Esse evento foi feito para que as pessoas com deficiência tivessem a oportunidade de resolver suas demandas em um único lugar. O Tribunal vai auxiliar as políticas públicas necessárias para que a acessibilidade e a inclusão aconteçam de forma verdadeira e adequada, já que estima-se que 25% da população têm algum tipo de deficiência”, destacou a desembargadora.

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Comentários estão fechados.