Reprodução da internet

Desastres naturais causaram prejuízos de R$ 244,9 bilhões aos cofres públicos

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no twitter

Todos os anos, o governo federal reconhece uma média de 2 mil decretos de Situação de emergência (SE) e/ou de Estado de Calamidade Pública (ECP). Nos últimos 17 anos (2003-2018), foram 32.121 desastres reconhecidos; prejuízos acumulados de R$ 244,9 bilhões, só de 2012 ao primeiro de 2017; e 53,6 milhões de pessoas afetadas, o que representa 25% da população brasileira. Os números fazem parte do estudo Proteção de Defesa Civil, elaborado pela Confederação Nacional de Municípios (CNM).

Promovido com base em informações da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil do Ministério da Integração Nacional (Sedec/MI), o levantamento explica a diferença entre emergência e calamidade, e destaca os impactos sociais, materiais e ambientais do excesso de chuva ou da falta de água. Muitos Municípios têm decretos recorrentes e sequenciais, em quase todos os anos do período analisado. Os 30 Municípios com mais desastres reconhecidos são do Nordeste, principalmente do Ceará.

Os Estados que mais tiveram desastres naturais no período foram a Paraíba, com 3.875 localidades; Rio Grande do Sul, com 3.547; Ceará, com 3.159; e Minas Gerais, com 3.120. Frequentemente, as regiões Nordeste e Sul lideram com portarias de reconhecimento. Enquanto uma parte do país sofre com a intensa seca e a falta de água até para o consumo humano, outra parte enfrenta problemas com alagamentos, enxurradas e tempestades de ventos.

De acordo com o levantamento, entre 2003 e 2018, houve oscilação nos reconhecimentos. O ano com menos decretos de anormalidade reconhecido foi 2006, com 991; e o pico de decretos ocorreu em 2013, quando 3.747 decretos de anormalidades foram reconhecidos pela União. Só nos últimos três anos – 2016, 2017 e 2018 – foram emitidos mais de 6,1 mil decretos.

Outros Estados nordestinos também estão na lista dos mais atingidos, como a Bahia. Os eventos provocados por seca na região correspondem a 53% do total de decretos já realizados em todos os anos, 17.114. Ao somar os eventos dos últimos 16 anos, o desastre mais reconhecido foi a seca, provocou 22.714 decretos. Já a chuva também traz grandes quantidades de ocorrências, com 9.030 registros.  Em contrapartida, Norte e Centro Oeste são os que menos apresentam reclamações por desastres, com apenas 5% do total de decretos.

Entre 2012 a 2015, o impacto financeiro causado por desastres ultrapassou de R$ 173,5 bilhões. Quando se considera o período de 2016 os prejuízos somam de R$ 32 bilhões. Só no primeiro semestre de 2017 os danos foram R$ 39,4 bilhões. Por área, esses números representam perda de R$ 16,2 bilhões na agricultura; R$ 13,6 bilhões na pecuária; e mais de R$ 1 bilhão na indústria. O estudo traz um mapa com os prejuízos por região. Os Municípios brasileiros amargaram R$ 244,9 bilhões em prejuízos acumulados entre 2012 até 2017

Segundo informações da Sedec/MI, entre 2010 e 2015 foram gastos R$ 5 bilhões em ações de respostas a desastres e R$ 503 milhões em ações de prevenção, o que corresponde apenas a 10% das ações de resposta, reconstrução e reabilitação de áreas afetadas por desastres.

Veja o estudo completo sobre os prejuízos causados por desastres naturais
Conheça o Observatório dos Desastres Naturais

Crédito da foto: Reprodução da internet

Compartilhe
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no twitter
Twitter

veja também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.