Moradores do Caititu, em Corrêas, fizeram no último dia 1º de maio, durante a Corrida do Trabalhador realizada no Centro, uma manifestação denunciando o plano de criação de moradias que serão construídas em um terreno localizada na localidade. De acordo com a denúncia, as 720 unidades habitacionais colocarão em risco as mais de 12 nascentes existentes na região, devido ao desmatamento e a infraestrutura do local que hoje já não comporta o escoamento das águas das chuvas.

Além das nascentes, os moradores reivindicam a reabertura da Escola São José do Caititu, a única do bairro, que fechou as portas em 2016, e ainda melhores condições de saneamento básico, em estado precário.

Diante das denúncias, a Prefeitura informa em nota que “o projeto de construção de moradias não vai afetar as nascentes existentes na região do Caititu”.

“Sobre a unidade escolar, os alunos da Escola São José do Caititu foram transferidos para o prédio da Escola Municipal Quinta do Lago em outubro de 2016. A transferência ocorreu devido à precariedade da sede original da escola, localizada no Caititu, em Corrêas. O imóvel foi condenado pela Defesa Civil. O projeto para a construção de um novo prédio foi feito pela Secretaria de Obras em 2017. A Secretaria de Educação busca recursos iniciar as obras”.

Quanto ao saneamento, a Prefeitura informa que “o bairro é atendido com água tratada e coleta de esgoto pela Águas do Imperador, que mantém estações de tratamento no Bonfim e Corrêas, respectivamente. A empresa ainda faz investimento de R$ 1,1 milhão em obra de uma nova rede de esgoto que liga o centro de Corrêas, Caititu e parte do Castelo São Manoel, que foi iniciada em outubro do ano passado e conta com 6,3 km de rede coletoras e três elevatórias”.