© Pedro França/Agência Senado

Defesa de Flávio Bolsonaro entra com recurso para impedir investigação

O recurso deve ser analisado pelo Conselho Institucional do Ministério Público e não há prazo para o resultado da análise.

Uma das denúncias contra o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) ganhou novos desdobramentos neste sábado (22). A defesa do filho primogênito do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) entrou com um recurso no Conselho Institucional do Ministério Público para que seja revista a decisão do Ministério Público (MP) de manter o inquérito eleitoral que apura o suposto crime de falsidade de ideológica do 01 em 2014.

O caso teve início quando um advogado denunciou que o valores pagos e declarados dos imóveis de Flávio Bolsonaro no Rio de Janeiro não coincidiam. A investigação foi conduzida pela Polícia Federal, que não encontrou indícios de crime, e foi arquivada na Justiça Eleitoral.

A decisão, entretanto, foi refutada pelo juiz Flávio Itabaiana, que encaminhou o caso para ser analisado pela 2ª Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público Federal, que concordou com o prosseguimento do inquérito.

Procurada, a defesa do senador disse, por meio de uma nota, que apenas pediu o arquivamento dos autos, que já havia sido feito pelo delegado da Polícia Federal responsável pela apuração do caso e por dois promotores eleitores. “Flávio Bolsonaro não cometeu qualquer irregularidade. Apesar de todos os pedidos e de todas as provas que isentam o parlamentar, a investigação continua aberta. A defesa quer apenas que se respeite o arquivamento solicitado pelo próprio Ministério Público”, diz o texto.

O recurso deve ser analisado pelo Conselho Institucional do Ministério Público e não há prazo para o resultado da análise.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

veja também

CPI da Covid pode convocar Governadores, Ministros e Prefeitos na próxima semana

Os parlamentares sugerem a convocação dos ministros Paulo Guedes (Economia), Walter Braga Netto (Defesa e ex-Casa Civil), Luiz Eduardo Ramos (Casa Civil e ex-Secretaria de Governo), Marcos Pontes (Ciência, Tecnologia e Inovações) e Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos). O ministro Wagner Rosário, da Controladoria Geral da União (CGU), é chamado a depor em um pedido de convite. Há ainda requerimentos para a convocação do ex-ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores).